Arquivo da tag: Salazar

A Internet serve para muito mais do que apenas dar “likes” e “retweets”

Hoje voltamos a falar sobre a “doença da era digital”, ou, como “curtir” artigos sem sequer parar para lê-los?

Para ilustrar o poder de propagação que pode ter a internet se a utilizarmos em prol de nossas causas, iremos voltar a um tempo em que não existia internet. Voltamos também ao polêmico assunto do ditador Salazar e vamos utilizar um texto encontrado no Jornal De Notícias.

No que diz respeito ao Salazar, alguns “iluminados” nos  perguntaram porque não falamos da ditadura Marxista e a resposta é simples: no Brasil e em Portugal, os regimes ditatoriais que tivemos não foram Marxistas. Bem, agora que demos uma pequena atenção aos Salazaristas conservadores que vem nos atacando diariamente, passemos ao texto de Alfredo Maia! Um texto que nos mostra claramente como poderíamos todos juntos, dar um imenso impacto ao projeto Morte Súbita graças à internet. O problema é que muita gente prefere divulgar fotos de gatinhos, de “gostosas”, e outras mil futilidades.

A internet pode e deve ser utilizada como uma ferramenta  alternativa para divulgar campanhas e propagar cultura. Para isso, bastaria que passássemos a utilizá-la de forma consciente. Afinal, seria muito preocupante se com as novas tecnologias não conseguíssemos fazer melhor do que fizeram há 50 anos atrás.

image4

“Do ‘Santa Maria’ para o mundo o “maior comício” anti-Salazar”

“Há 50 anos, não havia redes sociais, mas a tomada de um paquete com 600 passageiros e 350 tripulantes por um punhado de 23 revolucionários mal armados teve o efeito de um comício à escala planetária: a comunidade internacional virou as costas a Salazar.”

“Se não foi outra coisa”, o assalto ao paquete português “Santa Maria”, na madrugada de 22 de Janeiro de 1961, no mar das Caraíbas “foi o maior comício do mundo contra Salazar, foi um comício à escala planetária, foi um sufrágio mundial à credibilidade do regime fascista”. Camilo Mortágua, então com 27 anos, foi um dos 12 exilados políticos portugueses em Caracas, Venezuela, a embarcar na aventura do Directório Revolucionário Ibérico de Libertação (DRIL). Com 11 espanhóis, idealizaram apossar-se do navio, rumar à ilha de Fernando Pó, apoderar-se de uma canhoneira e de armas da guarnição militar espanhola, apontar a Luanda, assumir o poder na colónia portuguesa, instalar um governo provisório e irradiar a sublevação armada contra as ditaduras peninsulares.”

“Liderados pelo capitão Henrique Galvão, importante quadro dissidente do regime e delegado plenipotenciário do general Humberto Delgado (outro dissidente, depois de ter ocupado destacados cargos), derrotado na farsa das eleições presidenciais de 1958,  os revolucionários acabariam por ver frustrados os seus objectivos. Mas não completamente os políticos imediatos. “Pretendia-se uma operação com impacto”, conta Mortágua [ler entrevista]. E teve: a “Operação Dulcineia” – em alusão à quimérica dama do D. Quixote (“D. Quixote de la Mancha”) de Cervantes – convocou a imediata atenção dos média de todo o Mundo, que se precipitaram a enviar repórteres.”

“Com os jornais do país submetidos a férrea censura e manipulados pelas notas oficiosas do Governo, apenas os estrangeiros podiam narrar o acontecimento (a primeira captura de um navio por razões políticas, como viria a sê-lo o desvio de um avião da TAP 11 meses depois) e  colocar na agenda internacional a ditadura. Foi através da cadeia de televisão norte-americana NBC que Galvão, que partilhava a liderança da operação com o comandante “Jorge Soutomaior” (nome de guerra do galego José Hernánez Vasquez, ex-combatente comunista na Guerra Civil de Espanha), invocou a condição de combatente político e neutralizou a arma diplomática de Salazar. Acusando os revolucionários de pirataria, o ditador pretendia que os aliados na NATO, com a frota norte-americana no Atlântico à frente, recapturassem o paquete. França e Holanda não reagiram; a Inglaterra desistiu face à pressão trabalhista. Só os Estados Unidos se fizeram ao mar, com cinco vasos de guerra e uma esquadrilha de aviões.”

“A esquadra aeronaval dos EUA localizou o “Santa Maria” cinco dias após a aventura começar.  O barco zarpara no dia 20 do porto venezuelano de La Guaira, com destino a Miami. Dissimulada entre os 600 passageiros seguia uma parte do comando revolucionário; a outra embarcou clandestinamente e acoitou-se com armas. Três outros homens, Galvão entre eles, entrariam no dia seguinte em Curaçao.”

“A acção foi desencadeada cerca da 1.10 horas do dia 22. Foi rápida – coisa de dez ou 15 minutos. Na tomada da ponte de comando, um oficial de bordo é morto e outro gravemente ferido. O desembarque humanitário de feridos, no dia 23, na ilha de Santa Lucia – decisão controversa na liderança –  foi fatal: denunciou a presença do navio, atrasando a navegação para África.”

“Só no dia 25 foi avistado, mas não abordado. Galvão insistiu com os EUA que se tratava de um acto político e não de pirataria vulgar. John Kennedy, recentemente eleito, cede. Entre 27 e 31 de Janeiro, decorrem conversações entre os líderes do comando e o contra-almirante Allen Smith, em representação dos EUA, atentas à alteração política no Brasil: hostil aos revolucionários, o presidente cessante, Kubitchek de Oliveira, seria substituído no dia 1 de Fevereiro por Jânio Quadros, democrata amigo de Delgado. No dia 2, o navio chega a Recife e os revolucionários recebem asilo político.
Mas já nada será como dantes. “O governo fascista de Salazar está menos seguro no poder do que julga”, sentencia o clandestino “Avante!”, classificando a operação do “Santa Maria” como “uma séria derrota” e anunciando “um novo período de ascenso revolucionário”. E 1961 foi muito agitado.”

social-net

Hoje em dia não é necessário sequestrar um navio para transmitir uma mensagem e reter a atenção! Basta utilizar a Internet para que mensagens conscientes se espalhem pela rede e além da rede.

Nós já fizemos nossa parte e contamos com vocês! Quem ainda não participou do projeto Morte Súbita tem alguns últimos dias para fazê-lo! Cliquem aqui e ajudem o teatro independente de língua portuguesa a combater os resquícios de nossas ditaduras.

Etiquetado , , , , , , , , , , ,

Portugal precisa de uma farmácia Democrática?

Continuando com o polêmico tema do ditador Salazar, encontramos um texto que não poderíamos deixar de compartilhar com todos esses Salazaristas enrustidos e mascarados que vem nos enviando comentários com “contas spam não identificadas”.

Fomos até designados como “marxistas culturais” por um inculto anônimo (vejam abaixo alguns dos exemplos menos agressivos dos ataques recebidos sob forma de comentários aos nossos artigos)!

Por isso, este belo texto de Andrade da Silva publicado pelo blog avenidadaliberdade vai para todos aqueles que pensam que Salazar, de algum modo, possa ter sido positivo para Portugal!

“Salazar nunca foi moda…”

Salazar3


“SALAZAR NUNCA FOI MODA….

FOI SIM MODO DE SOFRER, REGREDIR E MORRER


O jornalista Manuel dos Santos, do Expresso, conclui que Salazar, apesar de algum ruído, não está na moda, para desencanto dos saudosistas, e tem toda a razão, porque Salazar foi sempre passado.

Salazar nunca foi moda, nunca esteve à frente do seu tempo, esteve sempre atrás.

Salazar foi o modo de sofrermos, regredirmos e morrermos, isto é, de nos subdesenvolvermos, e ser escravos esmagados por um poder totalitário, fascista.

Salazar, a tortura, o desprezo pela vida e pela inteligência foram o nosso triste e desgraçado fado, que se descreve com a música do corridinho e a seguinte letra: quando a Europa se libertou do fascismo, ele, perpetuou-o, em Portugal; quando no pós guerra a Europa se industrializava, Salazar, fazia de Portugal um país de camponeses com um quintal com 1/2 ha de terreno, e, no meio do qual, ainda, havia pedras e rochas dispersas; quando se devia investir em infra-estruturas ele aferrolhava as tais barras de oiro; quando no mundo se fazia tudo para que as mentes desabrochassem Salazar mandava os intelectuais e os artistas para Caxias, para levarem cacetada da Pide, a ver se à força de pancada metiam juizinho naquelas brilhantes monas; enquanto a Europa e o Mundo descolonizavam, o Portugal de Salazar, orgulhosamente só, fazia uma guerra de 13 anos em África, e, finalmente, deixava como herança uma guerra, um país quase analfabeto, mas cheio de água benta, bons costumes e muito futebol, isto é, legou-nos o maior atraso da Europa e muitos tiques de autoritarismo que, ainda, por aí, andam.

Salazar nunca foi uma moda, foi um modo de sofrer e de “ não ser” que castrou este país, muito para além dos anos em que governou. O nosso modo de ser e viver, ainda, continuam impregnados daquela matriz, mas nunca serão moda. Ninguém se atreverá a dizer, por mais gente que o cancro mate que é uma doença da moda. Será tão só uma doença cruel e mortal, e foi isto o que Salazar foi.

A moléstia fascista produzida pelo vírus/bactéria Salazar/Caetano/ Tenreiro/ Santos Costa/ Rapazote/ Albino dos Reis/Silva Pais/Américo Tomás/…. só não foi mortal, porque a cirurgia do 25 de Abril 74 salvou Portugal, como outras cirurgias têm salvo doentes cancerosos.

Todavia o mal, de tão impregnado, traz muito doente a nossa democracia que precisa de profundo e prolongado tratamento. Só que agora o médico, o cirurgião, o remédio está no POVO e nos seus Lideres que ou usam bem a farmácia de que dispõem, ou o doente continuará a adoecer cada vez mais, e podem em desespero de causa aplicar-lhe daqui 10, 15 anos, quando a efectiva crise chegar (ELA, ACRISE, AINDA NÃO ESTÁ AQUI), se este rumo de regressão não for superado, uma mezinha mais sofisticada, é certo, mas com as essências em Santa Comba descobertas há quase um século, e os resultados não serão muito diferentes.

Será sempre bom reflectir que a União Europeia tem uma grande plasticidade, basta recordar que até há bem pouco tempo a Polónia era governada por um governo excepcionalmente autoritário. Neste caso o povo usou bem a farmácia Democrática, como também o fizeram, os Australianos.

Que outros conheçam bem a farmácia Democrática, e a usem!?…”

Andrade da Silva
Fonte: avenidadaliberdade.org
Agora voltando a Zarpante, a única razão que nos leva a falar de Salazar é a de termos um projeto de teatro relacionado ao tema! Achamos evidente que um ditador sempre mereça ser criticado mas temos recebido inúmeros ataques verbais, provenientes de pessoas virtuais, que sequer se identificam, por terem vergonha de suas próprias formas de pensar.
Por isso agora, apesar de sermos uma empresa cultural que não precisa e não deve ficar a falar de política, sentimos que a omissão neste caso seria uma certa forma de aceitar que Portugal ainda é um país fascista e retrógrado.

Por não aceitarmos essa ideia, compartilhamos o texto acima e levantamos bem alto nossa bandeira anti-Salazar!

Convocamos desde já todas as pessoas conscientes desse lindo país a se unirem a nós nesta marcha que, pode não parecer, mas nunca foi tão atual: acessem já o projeto Morte Súbita, contribuam, e descubram porque estamos avançado rumo a uma nova era de regime ditatorial em Portugal e no mundo…  

A Participação de cada um de vocês (onde quer que estejam no mundo), seja divulgando, seja contribuindo, faz uma real diferença para o teatro independente luso-brasileiro e para ajudar a explicar, elucidar e, por consequência, diminuir o número de pessoas incultas que, nos dia de hoje, ainda conseguem encontrar motivos e razões para defender o antigo ditador português.


Etiquetado , , , , , , , , ,

Ainda existem pessoas que defendem Salazar

Iremos compartilhar abaixo um belo artigo encontrado no blog Kumkaneco, e que critica ironicamente o ditador português. Mas compartilharemos também o triste comentário feito por um leitor (obviamente anônimo):

“Salazar Anti-Salazarista”

 

  “Após Salazar ter ganho aquele concurso organizado pela RTP do homem mais importante da História de Portugal, um grupo de estudiosos tentou descobrir a razão que motivou o voto dos portugueses em Salazar.”

  “Este senhor que foi Presidente do Conselho e que dirigiu os destinos do nosso país, criou um sistema conhecido por Estado Novo que aprisionou durante quase meio século gente inocente por delito de opinião e que nos afundou de forma irremediável no desenvolvimento humano que ainda hoje e durante muitos anos vamos ainda ter de recuperar face aos outros países europeus onde Portugal actualmente se integra. E foi este senhor que ganhou o prémio para o homem mais importante de Portugal.”

Apesar de nos ter deixado um triste legado com práticas de tortura e morte, arrastando o país de forma irresponsável para uma guerra que já se sabia ser impossível de ganhar e que consumiu os parcos recursos da nação, Salazar venceu…

  Porquê?!… Qual a razão para este resultado?!

  Eis a pergunta a que este grupo de homens e mulheres se propôs dar resposta.”

 “Ao que parece e segundo um relatório preliminar das conclusões que foi entretanto divulgado, muito provavelmente a razão reside no facto de a maioria do povo português achar que Salazar era na verdade um antifascista.”

  “Fantástica conclusão esta, que de facto a ser assim, explica de forma categórica a razão pela qual os portugueses votantes não associaram a Salazar, essa imponente figura histórica do nosso passado, as práticas e factos referidos anteriormente.

  E vendo bem as coisas, sou obrigado a concordar com este grupo de estudiosos.

  Salazar era realmente anti-fascista.

  Ele era tão anti-fascista, tão antifascista que na realidade, ele não caiu da cadeira…

. Atirou-se!…”

Fonte: blog Kumkaneco

Agora vejam abaixo um print screen com o triste comentário!

Screen shot 2013-11-07 at 1.38.48 PM

Para todos os que são e sempre serão Anti-Salazaristas existe um projeto que ainda vai arrancar muitos aplausos das plateias portuguesas! O projeto Morte Súbita é uma realização lusobrasileira que alerta p/ os malefícios das ditaduras no séc. 20 em Portugal e no Brasil

O mais importante agora é participar do projeto para que o teatro independente possa seguir em frente e para que  a voz dos anti-salazaristas ecoe cada vez mais forte!

Zarpante apoia o projeto e já fizemos nossa contribuição! E vocês? Compartilhem e contribuam!

Vejam também: Poemas anti-salazaristas de Fernando Pessoa

 

Etiquetado , , , , , , , , ,

Poemas anti-salazaristas de Fernando Pessoa

António de Oliveira Salazar, Portugal

António de Oliveira Salazar, Portugal (Photo credit: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian)

Pessoa escreveu diversos poemas e textos anti-Salazar. Conheçam alguns abaixo:

COITADINHO DO TIRANINHO
Coitadinho
Do tiraninho!
Não bebe vinho,
Nem sequer sozinho…
Bebe a verdade
E a liberdade,
E com tal agrado
Que já começam
A escassear no mercado.
Coitadinho
Do tiraninho!
O meu vizinho
Está na Guiné,
E o meu padrinho
No Limoeiro
Aqui ao pé,
E ninguém sabe porquê.
( poema de Fernando Pessoa)

Mata os piolhos maiores (Pessoa)

Mata os piolhos maiores
Essa droga que tu dizes.
Mas inda há bichos piores.
Vê lá se arranjas veneno
(Ou grande, ou médio e pequeno)
Para matar directrizes.

O rei reside em segredo

O rei reside em segredo
No governar da Nação,
Que é um realismo com medo
Chama-se nação ao Rei
E tudo isto é Rei-Nação.

A República pragmática
Que hoje temos já não é
A meretriz democrática.
Como deixou de ser pública
Agora é somente Ré.

Fernando Pessoa, 1935
E o Salazar, artefacto

E o Salazar, artefacto
De um deus de régua e caneta,
Um materialão abstracto
Que crê que a ordem é alma
E que uma estrada a completa.

Não há poesia nele

Ai, nosso Sidónio Pais,
Tu é que eras português!

Um materialão abstracto,

Vive na orgia do exacto

Manda o país penhorado
Por uma estrada melhor.

Dizem que o Jardim Zoológico

Dizem que o Jardim Zoológico
Tem sido mais concorrido
Por prolongada assistência
Atenta a cada animal.
Mas isso que é senão lógico
Se acabou
A concorrência
Porque fechou
A Assembleia Nacional?

Se você é anti-salazarista como nós e como Fernando Pessoa, clique aqui e participe do projeto Morte Súbita!

Vejam também:

– A poesia do Marinheiro

– Ainda existem pessoas que defendem Salazar

Etiquetado , , , , , , , , ,

Conhece Tarrafal?

“O Concelho do Tarrafal é um concelho/município na ilha de Santiago, em Cabo Verde. Tem cerca de 20.000 habitantes e ocupa uma superfície de 112,4 km².

A sede do concelho é a vila do Tarrafal.

A própria vila do Tarrafal tem das poucas praias de areia branca da ilha, e certamente das mais paradisíacas do arquipélago, numa baía rodeada de coqueiros.

Mas engana-se quem pensa que esta é a única de todo o concelho, pois bastam alguns minutos e estamos noutras praias, estas já menos concorridas pelos turistas mas igualmente lindas, nas aldeias de Chão Bom e Ribeira da Prata.

Esta zona, da maior ilha de Cabo Verde, é famosa pela chamada Colónia Penal do Tarrafal ou Campo de Concentração do Tarrafal, construída entre as décadas 20 e 30 do século passado, para albergar os opositores ao regime português. É também famosa por ser o concelho de Cabo Verde onde vive a comunidade dos rabelados.

Quem chega a este concelho fica deliciado, não só pela sua beleza natural, como pela simpatia do seu povo, que vive principalmente do comércio, construção e serviços para a colectividade, e que conserva os valores tradicionais das suas gentes, destacando-se a olaria, a tecelagem, a utilização da cimboa e a música, uma vez que, ninguém lá passa sem dançar um funaná ou ver alguém a dar ku tornu, numa roda de batuque.

O Dia do Município é 15 de janeiro, data que coincide com a celebração de Santo Amaro.

Desde 2008, o município do Tarrafal é governado pelo Movimento para a Democracia.”

Fonte: Wykipédia

Português: Campo de Concentração do Tarrafal, ...

Português: Campo de Concentração do Tarrafal, muro de vedação, ilha de Santiago, Cabo Verde (Photo credit: Wikipedia)

 Campo do Tarrafal

Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Colónia Penal do Tarrafal, situada no lugar de Chão Bom do concelho do Tarrafal, na ilha de Santiago (Cabo Verde), foi criada pelo Governo português do Estado Novo ao abrigo do Decreto-Lei n.º 26 539, de 23 de Abril de 1936[1].

Em 18 de Outubro de 1936 partiram de Lisboa os primeiros 152 detidos, entre os quais se contavam participantes do 18 de Janeiro de 1934 na Marinha Grande (37) e alguns dos marinheiros que tinham participado na Revolta dos Marinheiros ocorrida a bordo de navios de guerra no Tejo em 8 de Setembro daquele ano de 1936.

O Campo do Tarrafal, ou Campo de Concentração do Tarrafal, como ficou conhecido, começou a funcionar em 29 de Outubro de 1936, com a chegada dos primeiros prisioneiros.

Objectivos

O Estado Novo, sob a capa da reorganização dos estabelecimentos prisionais, ao criar este campo pretende atingir dois objectivos ligados entre si: afastar da metrópole presos problemáticos, e, através das deliberadas más condições de encarceramento, enviar um sinal de que a repressão dos contestatários será levada ao extremo.

Esta visão está claramente definida nos primeiros parágrafos do Decreto-Lei n.º 26 539, ao afirmar que serve para receber os presos políticos e sociais, sobre quem recai o dever de cumprir o desterro, aqueles que internados em outros estabelecimentos prisionais se mostram refractários à disciplina e ainda os elementos perniciosos para outros reclusos. Este diploma abrange também os condenados a pena maior por crimes praticados com fins políticos, os presos preventivos, e, por fim, os presos por crime de rebelião.

Mortos no Tarrafal

Foram 37 os prisioneiros políticos que morreram no Tarrafal; os seus corpos só depois do 25 de Abril puderam voltar à pátria:

  • Francisco José Pereira: Marinheiro, 28 anos (Lisboa, 1909 – Tarrafal 20 de Setembro de 1937)
  • Pedro de Matos Filipe: Descarregador, 32 anos (Almada, 19 de Junho de 1905 – Tarrafal, 20 de Setembro de 1937)
  • Francisco Domingues Quintas: Industrial, 48 anos (Grijó, Porto, Abril de 1889 – Tarrafal, 22 de Setembro de 1937)
  • Rafael Tobias Pinto da Silva: Relojoeiro, 26 anos (Lisboa, 1911 – Tarrafal 22 de Setembro de 1937)
  • Augusto Costa: Operário vidreiro (Leiria, ? – Tarrafal, 22 de Setembro de 1937)
  • Cândido Alves Barja: Marinheiro, 27 anos (Castro Verde, Abril de 1910 – Tarrafal, 29 (24?) de Setembro de 1937)
  • Abílio Augusto Belchior: Marmorista, 40 anos (?, 1897 – Tarrafal, 29 de Outubro de 1937)
  • Francisco do Nascimento Esteves: Torneiro mecânico, 24 anos (Lisboa, 1914 – Tarrafal, 21 (29?) de Janeiro de 1938)
  • Arnaldo Simões Januário: Barbeiro, 41 anos (Coimbra, 1897 – Tarrafal, 27 de Março de 1938)
  • Alfredo Caldeira: Pintor decorador, 30 anos (Lisboa, 1908 – Tarrafal, 1 de Dezembro de 1938)
  • Fernando Alcobia: Vendedor de jornais, 24 anos (Lisboa, 1915 – Tarrafal, 19 de Dezembro de 1939)
  • Jaime da Fonseca e Sousa: Impressor, 38 anos (Tondela, 1902 – Tarrafal, 7 de Julho de 1940)
  • Albino António de Oliveira Coelho: Motorista, 43 anos (?, 1897 – Tarrafal, 11 de Agosto de 1940)
  • Mário dos Santos Castelhano: Empregado de escritório, 44 anos (Lisboa, Maio de 1896 – Tarrafal, 12 de Outubro de 1936)
  • Jacinto de Melo Faria Vilaça: Marinheiro, 26 anos (?, Maio de 1914 – Tarrafal, 3 de Janeiro de 1941)
  • Casimiro Júlio Ferreira: Funileiro, 32 anos (Lisboa, 4 de Fevereiro de 1909 – Tarrafal, 24 de Setembro de 1941)
  • Albino António de Oliveira de Carvalho: Comerciante, 57 anos (Póvoa do Lanhoso, 1884 – Tarrafal, 22 (23?) de Outubro de 1941)
  • António Guedes de Oliveira e Silva: Motorista, 40 anos (Vila Nova de Gaia, 1 de Maio de 1901 – Tarrafal, 3 de Novembro de 1941)
  • Ernesto José Ribeiro: Padeiro ou servente de pedreiro, 30 anos (Lisboa, Março de 1911 – Tarrafal, 8 de Dezembro de 1941)
  • João Lopes Dinis: Canteiro, 37 anos (Sintra, 1904 – Tarrafal, 12 de Dezembro de 1941)
  • Henrique Vale Domingues Fernandes: Marinheiro, 28 anos (?, Agosto de 1913 – Tarrafal, 7 de Janeiro (Julho?) de 1942)
  • Bento António Gonçalves: Torneiro mecânico, 40 anos (Fiães do Rio (Montalegre), 2 de Março de 1902 – Tarrafal, 11 de Setembro de 1942)
  • Damásio Martins Pereira: Operário (? – Tarrafal, 11 de Novembro de 1942)
  • António de Jesus Branco: Descarregador, 36 anos (Carregosa, 25 de Dezembro de 1906 – Tarrafal, 28 de Dezembro de 1942)
  • Paulo José Dias: Fogueiro marítimo, 39 anos (Lisboa, 24 de Janeiro de 1904 – Tarrafal, 13 de Janeiro de 1943)
  • Joaquim Montes: Operário corticeiro, 30 anos (Almada, 11 de Setembro de 1912 – Tarrafal, 14 de Fevereiro de 1943)
  • Manuel Alves dos Reis (? – Tarrafal, 11 de Junho de 1943)
  • Francisco Nascimento Gomes: Condutor, 34 anos (Vila Nova de Foz Côa, 28 de Agosto de 1909 – Tarrafal, 15 de Novembro de 1943)
  • Edmundo Gonçalves: 44 anos (Lisboa, Fevereiro de 1900 – Tarrafal, 13 de Junho de 1944)
  • Manuel Augusto da Costa: Pedreiro (? – Tarrafal, 3 de Junho de 1945)
  • Joaquim Marreiros: Marinheiro, 38 anos (Lagos, 1910 – Tarrafal, 3 de Novembro de 1948)
  • António Guerra: Empregado de comércio, 35 anos (Marinha Grande, 23 de Junho de 1913 – Tarrafal, 28 de Dezembro de 1948)

Encerramento e reactivação

O Campo do Tarrafal encerrou em 1954, tendo sido reactivado em 1961, sob a denominação de Campo de Trabalho do Chão Bom, para receber prisioneiros oriundos das colónias portuguesas[2].

Museu da Resistência

O Museu da Resistência integra-se no projecto de preservação e musealização do ex-Campo de Concentração do Tarrafal, com o objectivo, a longo prazo, da sua declaração como Património da Humanidade.

Campo de Concentração do Tarrafal

Campo de Concentração do Tarrafal (Photo credit: Wikipedia

-Contribua para o projeto em nosso site!

 

Etiquetado , , , , , , , , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: