Arquivo da tag: Rio de Janeiro

Sugestões Sonoras

A partir de hoje Zarpante irá compartilhar algumas sugestões sonoras por meio do nosso Mixcloud. Fiquem ligados e saibam o que a equipe Zarpante tem escutado!

Começamos com um americano que tem dado o que falar em 2014 com um disco em que revisita o Funk carioca! Cliquem na imagem abaixo e façam essa viagem sonora com Zarpante!

Da Rocinha 2

Sugestões sonoras 01 (Sango) by Zarpante Lda on Mixcloud

Para escutar o disco completo acessem o Soundcloud do Sango: https://soundcloud.com/sangobeats

Etiquetado , , , , , , , , , ,

7 dias para que Vinicius de Moraes ressuscite no Morro da Babilônia

Você que mora no Rio de Janeiro: já foi ao Morro da Babilônia? Ainda não? Esta é sua chance de conhecer uma das mais belas vistas da cidade!

São prémios como este que esperam pelas almas (sensíveis à poesia nossa de cada dia), que contribuírem para este projeto! Uma poesia com a  cara do Vinicius de Moraes, que gostava tanto de encontrar poesia nas pequenas coisas do dia a dia.

Com alguns minutos de seu tempo e mais alguns cliques, você pode ajudar a levar os nome de Vinicius de Moraes, do Morro da Babilônia, e do realizador Rafael Gomez! São poucos cliques, mas mudam a vida de muitas pessoas. O projeto leva cultura ao morro e paralelamente, leva a cultura brasileira ao mundo! Mas para que tudo isso possa acontecer, precisamos de sua ajuda já!

Faltam somente 7 dias e o projeto pode atingir em poucas horas o valor necessário, mas para isso precisamos que todos os amantes de Vinicius, todas as almas poéticas, todos os apreciadores de cultura, companhias ou empresas (interessadas por marketing cultural a um preço acessível), todos os amigos, familiares, etc, participem de forma ativa dessa reta final! Clique aqui e faça sua parte! Contamos com cada um de vocês e agradecemos antecipadamente aos que já participaram e aos que irão se mobilizar!

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , ,

Eduardo Coutinho morto à facada

Eis a nossa singela homenagem ao cineasta brasileiro Eduardo Coutinho, de 80 anos, morto à facada este domingo, em sua casa, na Lagoa, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Uma forma para quem ainda não conhece o trabalho deste cineasta especializado em documentários! Assistam alguns abaixo.

– Cabra Marcado para Morrer

cabra

Filme documentário, Cabra Marcado para Morrer foi dirigido por Eduardo Coutinho inicialmente em fevereiro1964, sendo obrigado a interromper as filmagens devido ao golpe militar de 31 de março, quando as forças militares cercam a locação no engenho da Galiléia. Dezessete anos depois em 1984 retoma o projeto, seu lançamento foi no ano seguinte em 1985.

– Santa Marta Duas Semanas no Morro

-Semanas-no-Morro

Este filme foi produzido no final da década de 80, durante duas semanas em que a equipe manteve-se no Morro Santa Marta, favela localizada no bairro de Botafogo no Rio de Janeiro, para falar sobre violência e discriminação sofridas pelos moradores.

– Boca de Lixo

Boca de Lixo

O cenário, à primeira vista, pode chocar: um ponto de escoamento de lixo em São Gonçalo, município do Rio de Janeiro. Seringas usadas, comida em estado de decomposição, um estado de miséria absoluta…

– Santo Forte

santo forte

Em meio a visita do papa Joao Paulo II no Brasil, Eduardo Coutinho visita uma favela do Rio de Janeiro onde a religiosidade das pessoas se misturam entre varias crenças.

 

– Babilônia 2000 – Eduardo Coutinho

-Babilo

Na manhã do último dia de 1999, uma equipe de filmagens sobe o Morro da Babilônia, no Rio de Janeiro. Lá existem duas favelas, Chapéu Mangueira e Babilônia, as únicas situadas na orla de Copacabana e cujos moradores podem acompanhar ao vivo o réveillon de Copacabana. Durante 12 horas, as câmeras da equipe de filmagens acompanham os preparativos locais para o réveillon, assim como ouve os moradores locais a fim de saber as expectativas deles para o ano 2000 e para que possam fazer um balanço de suas vidas.

– Edifício Master

master

Registro do cotidiano dos moradores do Edifício Master, em Copacabana, no Rio de Janeiro, um prédio de 12 andares e 276 apartamentos, onde moram cerca de 500 pessoas. No filme, 37 contam suas histórias de felicidade, tristeza, desilusão, esperança e amor.

– O Fim e o Princípio

1

Sem pesquisa prévia, sem personagens, locações nem temas definidos, uma equipe de cinema chega ao sertão da Paraíba em busca de pessoas que tenham histórias para contar.

–  Jogo de Cena

jogo-de-cena

Historias de mulheres brasileiras …guerreiras …as historias se misturam entre a interpretação das atrizes e a historia real.

– Moscou

moscou1

Moscou é um filme de Eduardo Coutinho, que acompanha o dia a dia dos atores de um grupo de teatro durante os ensaios da peça “Três irmãs” de Anton Tchekhov.

Em “Moscou”, Coutinho dá prosseguimento às investigações iniciadas em Jogo de Cena mas, ao contrário de “Jogo de cena”, que didatiza a questão do caráter dualístico do documentário, em “Moscou” a discussão se aprofunda.

É a primeira vez que o diretor não interferiu na atuação de seus atores. O filme é fragmentário quase um improviso, registro poético do grupo.

A preocupação plástica e formal o aproxima da metalinguagem. Sendo assim, ele habita a linha tênue entre documentário e ficção, deixando o espectador com mais perguntas do que respostas.

Etiquetado , , , ,

O Brasil, mais uma vez no Théâtre de Ménilmontant em Paris!

Nesta sexta-feira 10 de janeiro Zarpante promove mais um belo evento em Paris, no Théâtre de Ménilmontant!

Vai ser uma noite cheia de sambas raiz e viajaremos juntos ao Rio de Janeiro dos anos 40…

Coloque um belo traje de malandro ou suas sandalias de prata e venha sambar com o grupo Bécots da Lappa!

Quem chegar cedo terá direito a uma surpresa vinda diretamente de Barcelona…

becots384438001806337_1882529682_n (1)

 

Tarifas:

Completa: 10 EUROS
Com redução: (para estudantes, desempregados…): 8 EUROS
Sócios:(50% da entrada completa): 5 EUROS
Reservas:
En vente sur le site du Théâtre de Ménilmontant Clique aqui para comprar sua entrada antecipadamente.
Le Théâtre de Ménilmontant
15 Rue du Retrait, 75020 Paris
01 46 36 98 60
Métro 3, 3bis Gambetta
Bus 26 – 96
Etiquetado , , , , , , , , , , , , , ,

Toca do Vinicius

Compartilhando um artigo sobre Bossa Nova para os franceses interessados pelo assunto!

Lepetitjournal.com s’est rendu dans la rue Vinicius de Moraes, situé dans le quartier d’Ipanema à deux pas de la plage, pour parler musique. Mais pas n’importe laquelle. La bossa nova. La musique de Rio de Janeiro. 54 ans d’ondes mélodieuses. Retour sur un style musical exceptionnel conté par un maître en la matière, le propriétaire du centre de référence : Carlos Alberto Alfonso

Le centre musical Toca do Vinicius a ouvert en 1993. A l’origine, le propriétaire l’avait appelé Toca da Bossa Nova. Mais trois mois avant, il décida de changer le nom pour la commémoration de la mort du célèbre musicien Vinicius de Moraes, dont on avait fêté les 20 ans cette même année.

Dans cette boutique, il y a des livres, des albums, des vinyles et des anciennes photos de ces célèbres artistes qui ont écrit l’histoire de la bossa nova. Carlos, carioca, ancien professeur de littérature, prend du plaisir à expliquer son amour de la bossa à un passant curieux. “La bossa nova est une rythmique de la samba, jouée de la manière traditionnelle” affirme-t-il. Il explique que la bossa nova n’est pas une chanson, mais une façon de la jouer. “Celui qui écoute la bossa nova a une relation contemplative avec elle, c’est l’instrumental qui est important” ajoute-t-il. Les paroles sont là pour accompagner la musique, elles facilitent essentiellement la vulgarisation et la popularisation de la chanson. Elles sont plus envisagées comme un “accessoire”. Il insiste : “La bossa nova n’a pas besoin de parole pour être bossa nova. Si vous écoutez attentivement, la voix n’est jamais plus forte que le son des instruments”. C’est une relation collective et égalitaire entre ces deux éléments.

Les grands noms
A la fin des années 50, un jeune musicien se fait le pionnier de la bossa nova : il s’agit de João Gilberto. Un dieu qui de ses mains a inventé cette manière de jouer un nouveau rythme. Ce travail de construction musicale n’a pas été sans peine, le musicien a montré beaucoup de détermination. Mais au-delà de ses recherches, il a véritablement créé des éléments esthétiques. Il y a deux architectes de cette musique, “pas un, pas trois, deux seulement” m’explique Carlos. João Gilberto et Tom Jobim. Ce dernier a quant à lui prouvé ses talents de compositeur. “La bossa nova est la musique des musiciens” précise-t-il.

Les femmes ont elles aussi contribué à façonner le genre musical. Nara Leão, Leny Andrade, Wanda Sa, Rosa Passos sont considérées comme les muses de la bossa. “Pour moi, Rosa Passos est João Gilberto en jupe” souligne le maître des lieux. Amour, mort, nature, les thèmes des paroles tournent souvent autour de la vie quotidienne. Le top des plus belles chansons de bossa nova selon Carlos ? “Desafinado (de Tom Jobim), O Barquinho (de Nara Leão) et Lobo bobo (de João Gilberto), mais ça ne tient qu’à moi !

Fonte: Camille JEANJEAN (www.lepetitjournal.com  – Brésil) Rediffusion

Etiquetado , , , , , , , ,

Vinícius de Moraes e o Dia da Consciência Negra

Como ele mesmo dizia ser o branco mais negro do Brasil, nada mais natural que relembrar o Dia da Consciência Negra em companhia do Poetinha e de alguns clássicos:

– Para começar, o filme completo, Orfeu Negro, do francês Marcel Camus, com trilha sonora composta por Vininha:

O filme foi filmado no morro da Babilônia, no Rio de Janeiro, e não é uma coincidência se hoje, um projeto maravilhoso de crowdfunding para poder arrecadar os fundos necessários para pagar os direitos autorais do Poeta, viu nascer o dia no site Zarpante. Clique aqui para saber mais e participar do projeto Lamento no Morro.

– Continuamos com o Samba Da Benção:

“Porque o samba nasceu lá na Bahia
E se hoje ele é branco na poesia
Se hoje ele é branco na poesia
Ele é negro demais no coração”

“Eu, por exemplo, o capitão do mato
Vinicius de Moraes
Poeta e diplomata
O branco mais preto do Brasil
Na linha direta de Xangô, saravá!”

Notam-se diversas palavras do vocabulário Afro – Xangô, ialorixá, Saravá, etc, que dão um ritmo e um estilo afro-samba à música e revelam a versatilidade de Vinícius, passando do léxico bossa-nova ao tipicamente usado pelos negros.

– Em seguida tem Zambi:

Compartilhamos em seguida, um podcast feito há alguns anos por nós, para que o público francês se familiarizasse com Zumbi e com o Dia da Consciência Negra. As músicas são todas em homenagem ao tema! Escutem abaixo enquanto leem este artigo:

– Para terminar tem um Poema interessante do Vininha:

Balada negra, Vinícius de Moraes

Éramos meu pai e eu
E um negro, negro cavalo
Ele montado na sela,
Eu na garupa enganchado.
Quando? eu nem sabia ler
Por quê? saber não me foi dado
Só sei que era o alto da serra
Nas cercanias de Barra.
Ao negro corpo paterno
Eu vinha muito abraçado
Enquanto o cavalo lerdo
Negramente caminhava.
Meus olhos escancarados
De medo e negra friagem
Eram buracos na treva
Totalmente impenetrável.
Às vezes sem dizer nada
O grupo eqüestre estacava
E havia um negro silêncio
Seguido de outros mais vastos.
O animal apavorado
Fremia as ancas molhadas
Do negro orvalho pendente
De negras, negras ramadas.
Eu ausente de mim mesmo
Pelo negrume em que estava
Recitava padre-nossos
Exorcizando os fantasmas.
As mãos da brisa silvestre
Vinham de luto enluvadas
Acarinhar-me os cabelos
Que se me punham eriçados.
As estrelas nessa noite
Dormiam num negro claustro
E a lua morta jazia
Envolta em negra mortalha.
Os pássaros da desgraça
Negros no escuro piavam
E a floresta crepitava
De um negror irremediável.
As vozes que me falavam
Eram vozes sepulcrais
E o corpo a que eu me abraçava
Era o de um morto a cavalo.
O cavalo era um fantasma
Condenado a caminhar
No negro bojo da noite
Sem destino e a nunca mais.
Era eu o negro infante
Condenado ao eterno báratro
Para expiar por todo o sempre
Os meus pecados da carne.
Uma coorte de padres
Para a treva me apontava
Murmurando vade-retros
Soletrando breviários.
Ah, que pavor negregado
Ah, que angústia desvairada
Naquele túnel sem termo
Cavalgando sem cavalo!

Foi quando meu pai me disse:
– Vem nascendo a madrugada…
E eu embora não a visse
Pressenti-a nas palavras
De meu pai ressuscitado
Pela luz da realidade.

E assim foi. Logo na mata
O seu rosa imponderável
Aos poucos se insinuava
Revelando coisas mágicas.
A sombra se desfazendo
Em entretons de cinza e opala
Abria um claro na treva
Para o mundo vegetal.
O cavalo pôs-se esperto
Como um cavalo de fato
Trotando de rédea curta
Pela úmida picada.
Ah, que doçura dolente
Naquela aurora raiada
Meu pai montando na frente
Eu na garupa enganchado!
Apertei-o fortemente
Cheio de amor e cansaço
Enquanto o bosque se abria
Sobre o luminoso vale…
E assim fui-me ao sono, certo
De que meu pai estava perto
E a manhã se anunciava.
Hoje que conheço a aurora
E sei onde caminhar
Hoje sem medo da treva
Sem medo de não me achar
Hoje que morto meu pai
Não tenho em quem me apoiar
Ah, quantas vezes com ele
Vou ao túmulo deitar
E ficamos cara a cara
Na mais doce intimidade
Certos que a morte não leva:
Certos de que toda treva
Tem a sua madrugada.

 

 

 

Etiquetado , , , , , , , , ,

A capital francesa acolhe o cinema lusófono

Do 8 ao 10 de novembro de 2013, Paris acolhe o Festival FESTAFILM e seus filmes lusófonos!

Quem não estiver em Paris poderá conhecer alguns dos filmes pelo nosso blog, mas quem estiver em Paris não pode perder este evento que além de filmes ainda conta com uma palestra, muita música ao vivo e inclusive exposições de artes plásticas!

Conheçam abaixo alguns dos filmes que estarão em cartaz

– O Documentário
MORNA BLUES – Cesária Évora – Anaïs PROSAïC et Eric MULET – 50ʼ – France

Screen shot 2013-11-06 at 4.41.48 PMO sucesso internacional de Cesária Évora colocou no panorama musical do mundo as melodias dilacerantes da morna. Este filme feito de ritmos que requebrantes, é a própria imagem de Cesária : generosa e secreta. Por muito tempo “a diva de pés nus” cantou para os freqüentadores dos bares de Mindelo, em troca de uma bebida ou de dinheiro. Neste documentário a personalidade misteriosa de Cesária    é mostrada em seu quotidiano. Cesária Évora parece levar o destino trágico de seu país, onde por trás das danças e melodias, escutamos textos de séculos de sofrimento e luta …

– E os Curtas:
LANDAU 66 – Fernando SANCHES – 12min -Brasil

“O que o diabo faz quando está de saco cheio?” Dois jovens tentam achar uma resposta para essa e outras perguntas em uma noite chuvosa dentro de um Landau 1966, com a incômoda presença de um carona no banco de trás.

BLACKOUT – Daniel REZENDE – 10min- Brasil

Um assessor e um suplente parlamentar resolvem fumar um baseado numa sala em reforma da Assembléia Legislativa. O que era pra ser um momento de relax , vira uma constante sucessão de revelações e surpresas que pioram a cada segundo.

ILUMINADOS Daniel de ALEMAR, 17′, São Paulo – Brasil

Screen shot 2013-11-06 at 4.51.19 PMUm blecaute quebra a rotina noturna de um casal.

DINA de Mickey FONSECA, 23 min, Maputo – Moçambique.

Quando Dina, a sua filha de 14 anos engravida, Fauzia compreende que a violência de Remane, seu esposo, atingiu novos limites. Com a mãe hospitalizada depois de uma terrível cena de violência física, Dina convence-a a denunciar Remane à Polícia.

E o melhor de tudo é que nós sequer desvendamos todos os filmes que serão apresentados durante o Festival!

Zarpante acompanha de perto a Lusofonia e suas viagens por terras estrangeiras. Os brasileiros, angolanos, moçambicanos, e lusófonos, de maneira geral, deveriam prestigiar esse evento que vai “matar algumas saudades de casa”!

Clique aqui para Infos completas em francês

Etiquetado , , , , , , , , , ,

Graças a Zarpante, reduções de 50% sobre a nova coleção Tudo Bom

Tudo Bom é uma marca francesa de moda ética e orgânica, cheia de bom humor e de cores. Roupas para mulheres, homens, crianças e bebês de algodão 100% orgânico produzido no Brasil, na linha do comércio sustentável.

O que nem todos sabem, é que a Tudo Bom também apoia projetos culturais ligados ao Rio de Janeiro. Por isso,  foram indispensáveis na divulgação do primeiro evento de Zarpante em Paris : ” Les Nuits de Rio” (As Noites do Rio).

Graças a Tudo Bom e aos outros parceiros culturais do evento, tivemos duas noites de casa praticamente lotada para assistir ao Aleh Ferreira e ao Ruben Jacobina, e não poderíamos deixar de agradecer a todos os que divulgaram e/ou estiveram presentes durante o evento.

Logo abaixo, um pequeno trecho do show de Ruben Jacobina, dia 28 de setembro de 2013 no Teatro de Ménilmontant em Paris:

Conheçam a nova coleção Tudo Bom!

Ne ratez pas cette promo exclusive! Não percam esta promoção exclusiva!

Ne ratez pas cette promo exclusive!
Não percam esta promoção exclusiva!

Além do mais, graças ao código promocional Zarpante, vocês terão 50% de redução sobre toda a nova coleção entre  o 9 e o 12 de outubro (aonde quer que estejam no mundo)! Conheçam a coleção completa no site Tudo Bom e aproveitem as promoções!

 Vejam também:

Version Française

Etiquetado , , , , , , , , ,

Quando os próprios músicos convidam…

“Les Nuits de Rio” vai acontecer em Paris nos dias 27 e 28 de setembro de 2013! Uma ocasião perfeita para quem está em Paris e quer matar as saudades do Brasil ou para quem é de Paris e deseja descobrir um pouco do tempero carioca desses dois compositores natos!

IMG_0498

Para que ninguém esqueça ou nos critique por não termos informado aos brasileiros espalhados pelo mundo, que agora em Paris o Brasil é chique e toca em salas de teatro! Desta vez quem está representando a cultura brasileira em Paris são os cariocas Aleh Ferreira e Ruben Jacobina, que, unidos a Zarpante vieram apresentar aos franceses músicas do novo cenário musical carioca!

Etiquetado , , , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: