Arquivo da tag: Marketing

Ganhe dinheiro com sua música

Este slideshow necessita de JavaScript.

Aumente sua renda como músico:

Na situação atual de crise do mercado de discos, o crowdfunding surge como uma nova maneira para que músicos ganhem dinheiro com suas músicas em 2014! No entanto, para que suas campanhas de crowdfunding funcionem, os músicos precisam ter uma “multidão de fãs” que estejam preparados para ajudar a financiar os projetos de seus ídolos. Criar um público forte que acompanhe seu trabalho nas redes sociais, na mídia, etc, e claro, que compareça aos seus shows e divulgue seu som para outras pessoas que poderão se interessar pelo seu trabalho.

– Construa e mantenha uma verdadeira relação com seus fãs e amigos nas redes sociais.

95 % dos artistas fazem uma utilização errônea de suas listas de e-mail e de suas redes sociais: evite contactar seus fãs apenas quando tem algo para vender para eles (shows, releases, CD novo, etc.) É preciso convencer às pessoas a comprar algo, no entanto, às pessoas tem uma tendência natural de consumir e sempre preferem comprar de alguém em quem confiam e de quem gostam. Envie conteúdos como fotos, vídeos, etc para divulgar seu trabalho mas faça o espontaneamente e sem pedir sempre algo em troca.

Novos estudos indicam que às pessoas só investem dinheiro quando sentem que o artista “fez por merecer” por meio de um verdadeiro trabalho nas mídias sociais. Isso é particularmente válido para o universo da música.

Como artista, você representa uma marca: sua própria marca! Para ganhar dinheiro com sua marca você precisa ter uma linha de produtos claramente definida. Um projeto de financiamento coletivo (crowdfunding) é uma oportunidade única para lançar uma “linha de produtos” porque obriga o artista a criar diversos níveis nos quais as pessoas poderão participar e contribuir. Pois é: como Zarpante já vem dizendo faz um tempo, o crowdfunding vai muito além do que uma mera captação de fundos! Utilize-o por exemplo para lhe ajudar a criar uma linha de produtos que se adapte ao seu público!

1. O seu primeiro passo deve ser no sentido de identificar sua base de fãs  e seguidores:

Você tem uma base de fãs para a qual pode vender sua ideia?

Isso significa:

A) Uma mailing list

B) Um Blog e claro, leitores. Lembre-se de sincronizar seu blog com seu Tumblr, seu Twitter, Facebook, Stumbleupon, etc). Caso não tiver blog, e prefira delegar essa atividade a uma outra pessoa, saiba que existem diversos blogs que podem fazer isso por você contanto que você envie material de vez em quando. Este blog por exemplo tem sempre artigos sobre os artistas que Zarpante representa e também sobre artistas que atraem nossa atenção.

C) Tenha uma comunidade Facebook ativa e seguidores no Twitter

2. Canalize!

Sempre pense em maneiras para aumentar sua base de fãs e sua mailing list!

Considere que em média, somente 10% das pessoas em sua mailing list irão abrir os e-mails que você enviar: nesse sentido, tenha como objetivo um mínimo de 10 mil fãs (contabilizando todas suas redes sociais e mailing list).

Pense todo dia em pelo menos uma pessoa para adicionar em sua lista!

Qual é sua linha de produtos?

Você vende apenas shows, CDs e Mp3s?

Você tem produtos derivados?

Um fã clube / promoções mensais?

Tem algum talento especial a oferecer além de sua música?

Deixou claro às pessoas de sua mailing list que você está disponível para eventos privados , festas, casamentos, etc?

Alguma vez você já mencionou que gostaria de tocar um show na casa deles?

3. Já perguntou aos seus fãs  o que eles desejam comprar?

Faça enquetes e pergunte isso à sua base de fãs! Quem sabe eles desejem adesivos, ou camisetas relacionados ao seu projeto mas você nunca saberá disso se não perguntar.

Para Newsletters ou pesquisas online: Survey Monkey & Pop Survey

Para o Twitter: Twtpoll

No Facebook: Poll Daddy

 

4. Comunicação!

Você tem newsletters mensais atrativas, e consistentes?

Se não for o caso, passe a utilizar um serviço que lhe ajude a criar uma newsletter em que possa ter as estatísticas de quem abre suas newsletters e o que “clicam” ou não nela.

A chave é comunicar de maneira constante e regular, e estudar o que dá certo ou não.

5. Criatividade!

Seja criativo em relação ao conteúdo que compartilha em suas redes sociais!

Crie produtos, eventos, fã clubes, eventos exclusivos, e tudo que possa satisfazer seus fãs.

Você tem algum outro talento que seu público deveria descobrir?

Escreve?

Pinta?

Tira fotos?

6. Após desenvolver sua rede de maneira intensiva (mas sem comprar falsos seguidores ou “curtidas”), lance sua campanha de Crowdfunding!

Tenha um plano claramente definido antes de se lançar em uma campanha de crowdfunding: o que deseja fazer? Gravar um EP ou LP para lançar em CD ou vinil ou digital? Quer lançar um vídeo ou quer fazer um show? Precisa de fundos para comprar um novo baixo? Quer fundos para poder viajar e fazer aquela tournée lá fora? O crowdfunding pode ser aplicado a diversas partes de sua carreira mas para isso você precisa ter uma ideia bem estruturada em mente.

Estude o Crowdfunding  e entenda como alavancar sua campanha!

 

Etiquetado , , , , , ,

Conhecem o Virtuose Marketing?

O Virtuose Marketing é um blogue francês cujo conteúdo está quase que totalmente sob copyleft. Isso significa que esse conteúdo pode ser livremente copiado, modificado e redistribuído. 

Copyleft - Orange


As pessoas sempre foram possessivas em relação aos seus direitos autorais mas hoje em dia surge uma nova perceção do assunto e muitas pessoas percebem os benefícios evidentes de recorrer ao copyleft.

Os artigos podem ser utilizados para fins lucrativos ou não, em todo local, site, etc…

Não é sequer necessário avisar ao autor do blogue, ou pedir qualquer tipo de autorização (o autor informa que todas as autorizações já estão automaticamente garantidas)

Por que estamos 100% de acordo com o texto do blogueiro francês, traduziremos abaixo um artigo do blogue Virtuose Marketing em que o autor explica as razões que o levaram a escolher esse tipo de licença para seu blogue.

“Foi como uma evidência”:

“Era a coisa mais lógica a ser feita para dar seguimento a essa mentalidade de compartilhar que venho tentando desenvolver no Virtuose Marketing.”

“Penso que a licença livre seja a melhor maneira para incentivar o ato de partilhar, e por consequência, ajudar a criatividade. A explosão do Open source está ai para provar (o Wordpressteria se transformado no que é hoje se não tivesse sido em Open Source?).”

“Acredito também que toda a criação intelectual deveria se liberar das barreiras do copyright. Porque o copyright protege somente a indústria e não a cultura ou os artistas. Tenho a convicção que somente na partilha a cultura poderá florescer e que de tanto impor barreiras ao compartilhamento, impedimos justamente o desabrochar da cultura.”

“Por isso precisamos criar uma cultura livre que possa ser apropriada por todos.

Um material que poderia ser utilizado por todos para criar algo novo. Aliás, isso é o que os artistas têm feito desde o começo da humanidade: copiam, modificam e aperfeiçoam o que já existe, para executar novas criações.” Tudo o que conhecemos foi de uma forma ou de outra inspirado por algo que já existe.

“Se alguém se apropriar de meu trabalho, e aperfeiçoá-lo, então eu terei orgulho e todo mundo sairá ganhando.”

«Você não tem medo de incentivar a cópia, o plágio, a pirataria, e que isso possa trazer problemas?»

“É impossível impedir totalmente a cópia na internet. Nesse sentido mais vale autorizá-la.”

Cory Doctorow, autor de SF e do blogue Boing Boing, dizia:

«Se amanhã acabássemos com a cópia na internet, terminaríamos também com a cultura na net. Sem sua mina de vídeos considerados em infração de direitos autorais, YouTube desapareceria…”

Todo o trabalho de Cory Doctorow está em copyleft. Até mesmo seus livros.

“Penso também que o principal dos escritores e dos blogueiros” (Zarpante diria também dos músicos, dos pintores, cineastas, e outros criativos) “não seja o plágio, mas sim o fato de permanecerem desconhecidos e anónimos”. “Tenho a convicção que o copyleft é a solução ideal para sair da escuridão e ver seu trabalho sendo divulgado.”

“Leo Babauta é um outro bom exemplo.”

“Seu blogue Zen Habits está em copyleft. Isso permitiu que Olivier Roland criasse seu blogueHabitudes Zen, no qual ele pública as traduções dos artigos de Leo Babauta que passa a poder ser lido e conhecido por pessoas francesas que não falam inglês.”

“Por essas e por outras acredito que a cópia não esteja aqui para frear a produção cultural, mas para alavancá-la.”

“Aliás, não foi permitindo a todos a cópia ilegal de windows que o Bill Gates fez seu software ficar mundialmente conhecido?”

« Você não tem medo que o Google te penalize

“Google não é meu deus!”

“Nunca me preocupei muito com o referenciamento e isso nunca impediu ao Marketing Virtuose de ter visibilidade

Prefiro agir no sentido de agradar a todos meus leitores, não um robot. Prefiro privilegiar o humano e até hoje isso se revelou ser uma boa estratégia para mim.

Prefiro privilegiar o humano porque dessa forma incentivamos a troca, o “boca a orelha”, e favorecemos a criatividade.

Isso para mim é muito mais importante que um posicionamento Google.”

Saibam que se pensam assim, já deveríamos estar trabalhando juntos, porque na nossa perceção, um dos grandes problemas dos artistas de hoje em dia é a obsessão que eles tem por seus direitos autorais e consequentemente o fato de que poucas pessoas acabam conhecendo os trabalhos de tanta gente mais preocupada com os direitos autorais do que com seus talentos. Se você tem um talento, não é porque te “roubaram” uma música ou um texto, que você não pode compor uma música ainda melhor ou escrever algo ainda mais completo. O que vocês acham pessoal? Suas opiniões nos interessam!

Não sabemos quantos artistas irão realmente ler este artigo mas gostaríamos que compartilhassem seus pontos de vista sobre o assunto com Zarpante. Deixem comentários, criticas, artigos relacionados, etc…

 

 

 

 

 

Etiquetado , , , , ,

Os músicos franceses que mais vendem álbuns no mundo

Algum motivo existe para que os Daft Punk sejam os músicos franceses cujos álbuns são mais vendidos no mundo! Uma razão além da própria música! Algo chamado marketing! E no caso do grupo francês, marketing é sinónimo de mistério: afinal, quem pode afirmar já ter visto os rostos dos membros de Daft Punk ?

Eles estão com clipe novo e nós não podíamos deixar de compartilhar.

Vejam Também:

– Black Josie

 

Etiquetado ,
%d blogueiros gostam disto: