Arquivo da tag: guine bissau

Podcast Zarpante 017

Nosso parceiro de Brásilia, Tekokatu Enitan, preparou o Podcast Zarpante 017. O tema abordado foi a música dos PALOPS na época das independências!

palop

Para escutar clique na foto acima ou neste link!

1-Coral das FPLM (Moçambique) – Moçambique, terra bendita.
2-Os Kiezos (Angola) – Milhoró
3-David Zé (Angola) – O Guerrilheiro
4-Conjunto Merengue (Angola) – 5 de Julho
5-José Carlos Schwarz (Guiné-Bissau) – Estin
6-Grupo Bantu (Moçambique) – Moçambicano
7-Super Mama Djombo (Guiné-Bissau) – Sol Maior para Comandante
8-Bonga (Angola) – Kilumba Dia Ngola
9-Abel Lima e Les Sofas (Cabo Verde) – Corre Riba, Corre Baixo
10-David Zé (Angola) – As cinco sociedades
11-José Carlos Schwarz (Guiné-Bissau) – Djiu de Galinha
12-Santos Junior (Angola) – N’Gui Banza Mama
13-Super Mama Djombo (Guiné-Bissau) – Guiné-Cabral
14-Miriam Makeba (África do Sul) – A Luta Continua

referências: 

Angola 45: http://angola45.wordpress.com.

Ben Redjeb, Samy; Angola Soundtrack – The Unique Sound Of Luanda (1968-1976), 2010.

L’histgeobox: http://lhistgeobox.blogspot.com.br/20…

Lusafrica; Bonga – Angola 72, 1997.

Muzzical Trips: http://muzzicaltrips.blogspot.jp/2011….

Viegas Filipe, Eléusio dos Prazeres, “Where are the Mozambican Musicians?:” Music, Marrabenta, and National Identity in Lourenço Marques, Mozambique, 1950s-1975. 2012.Uploaded 24 minutes ago –

 

Escute também o Podcast Zarpante 018.

Etiquetado , , , , , , , , , ,

Festival multicultural em Lisboa!

TODOS de regresso a Lisboa

O Festival TODOS – Caminhada de Culturas voltou a juntar várias culturas num só evento, trazendo à cidade música, dança, teatro, circo, gastronomia e muito mais. A festa que começou dia 14 vai até o 23 de Setembro,acontece desta vez, prolongando-se do Intendente ao Poço dos Negros, e revelando Lisboa como uma capital intercultural.

Viajar pelo mundo sem sair de Lisboa. Essa é a proposta do Festival TODOS que oferece um conjunto de espetáculos provenientes dos países dos imigrantes que habitam a zona do Intendente (Índia, China, Paquistão, Bangladesh, Ucrânia, Angola, Brasil, Cabo-Verde, Guiné Bissau, entre outros), mas também espetáculos e workshops em lojas, praças e ruas do bairro da Mouraria, desenvolvidos em colaboração com os seus habitantes, incluindo jovens e idosos.

Entre 22 e 23 de Setembro, o Festival TODOS desloca-se até ao Eixo do Poço dos Negros, no cruzamento da Rua de São Bento e da Rua dos Poiais de São Bento. Para os últimos dois dias estão previstas exposições de fotografia, múltiplos espetáculos ao ar livre conduzidos, conjuntamente, por portugueses, indianos, paquistaneses, brasileiros e africanos.

Nestes dias, as estrelas do cartaz são os workshops de gastronomia de vários países de todo o mundo. Esta atividade será pautada, também, por conversas sobre comida de várias regiões, nomeadamente Bélgica, Timor, Alentejo, Goa, Guiné-Bissau, Cabo Verde, França, São Tomé e Príncipe e Nepal.

Os eventos do festival têm entrada livre, à exceção dos workshops de gastronomia cuja participação tem um custo de seis euros, mediante inscrição prévia através do e-mail festival.todos@gmail.com.

O festival, organizado pelo projeto TODOS – Caminhada de Culturas, com o apoio da Câmara Municipal, assume como principal objetivo proporcionar aos lisboetas um enriquecimento cultural.

Clique AQUI para consultar toda a programação.

Quem for ao festival, ou simplesmente quem tiver interesse por uma cultura mestiça, pode ganhar CDS, Livros, DVDs e muito mais acessando o link seguinte: Lisboa Mestiça

Etiquetado , , , , , , , ,

Os três Cabrais de hoje em Cabo Verde: uma leitura necessária

Post do site Buala:

Comemorou-se no dia 20 de Janeiro, “mais um aniversário do assassinato do líder da independência de Cabo Verde e da Guiné-Bissau, aquele que Challiand considerara um “revolucionário par excellance.” Importa, por isso, fazer uma leitura sobre a interpretação do homem que foi Amílcar Cabral na actualidade sócio-político ilhéu.

Em função das minhas observações participantes, das várias e longas conversas e diálogos com pessoas de diferentes backgrounds sociais, e dos comentários que abundam na esfera virtual, julgo ser possível falar de três Amílcares Cabrais em Cabo Verde: enquanto fraude, ícone e teórico-ideólogo.

Começemos, então, pelo primeiro, o Amílcar Cabral enquanto fraude. Para alguns sectores sociais (incluíndo algumas secções da intelligentsia ilhéu), Cabral representa tudo de errado que veio a acontecer no período pós-colonial. Influenciados, quiçá, pelas contínuas, permanentes e socialmente omnipresentes querelas partidárias pós-1991, e, tendo em conta que tem sido a mentalidade do PAICV a sustentar a tese de continuidade das ideias e ideologias cabralianas, muitos são os que encontram uma relação de causalidade directa entre Cabral e os males e erros políticos cometidos pelo regime monopartidário. Cabral, assim, é tido como o autor moral dos usos e abusos do poder no pós-independência — da mesma maneira que Marx também já foi acusado nestas partes pelos excessos do regime de Estaline na antiga União Soviética. O anti-PAICV, movido por questões político-partidárias, torna-se infantilmente um repelente doentio para o contributo histórico e teórico de Amícar Cabral. Daí a urgência de “des-PAICV-izar” Cabral! Até porque cada vez mais é o abismo entre o que foi professado e praticado por Cabral e as prácticas de um grande número de dirigentes daquele partido. Cabral, por isso, deve responder somente pelos actos cometidos até 20 de Janeiro de 1973.

Mais ainda, o argumento de Cabral enquanto fraude é também sustentado por análises anacrónicas que tentam examinar o homem em função da realidade sócio-política presente —destoando, assim, a força daquilo que os alemães designam de Zeitgeist (o espírito do tempo). Esquece-se, convenientemente, das especificidades temporais que condicionaram certas tomadas de posições e políticas. Não que eu seja um relativista radical, considero no entanto que uma análise bem informada dos factos implica que congelemos o tempo. Cada coisa no seu devido tempo.  Já escrevia Ortega y Gasset que “eu sou eu mais as minhas circunstâncias.” Daí ser extremamente necessário não olvidar as circunstâncias, políticas, históricas e sociais, que estruturam, até um certo modo, a agência individual.

Cabral enquanto fraude também se verifica quando alguns apontam o dedo a uma suposta falta de originalidade teórica do homem. Lembro-me de ter participado numa discussão calorosa e quente sobre o assunto (numa viagem a Cabo Verde). Um dos meus amigos, homem de muita leitura e de grande capacidade crítica, insistia constantemente na falta de originalidade intelectual de Cabral — e acabou mesmo por acusá-lo de plágio no que respeita à teoria de suicídio de classe (segundo esse amigo, tal teoria e conceito foram elaborados por um marxista russo. Ainda estou à espera da informação bibliográfica que lhe pedi para corroborar tal informação). Para outros, Cabral simplesmente desbobinava a fraseologia e teoria Marxista-Leninista e, assim, demonstrava o seu vazio intelectual (coisa mais errada!).

Existe ainda um segundo Cabral, o ícone. Este é o Cabral de maior difusão — o mais famoso e mediático entre os três Cabrais. Encontra-se em vários lugares no quadro do mundo caboverdiano (ilhéu e diaspórico) e as modernas tecnologias de informação e redes sociais online reforçam signicativamente a presença daquele líder no mundo virtual. Cabral enquanto ícone é representado pelas várias fotos do homem, particularmente as mais famosas — entre estas a foto tirada pela italiana Bruna Polimeni, em que Cabral de perfil, súmbia e óculos, e punho ao queixo, caracteriza-se por um olhar profundo e penetrante, talvez causado pelas realidades da luta armada. Uma simples procura no google imagens releva as mais famosas imagens fotográfricas de Cabral. As fotos agora são reproduzidas em inúmera parafernália: bumper stickers, t-shirts, sweatshirts e outras peças de vestuário, cd, cadernos e bloco de notas, colares, e por adiante. De longe reconhece-se Cabral enquanto ícone.

As fotos, no entanto, não constitutem a única maneira de reproduzir Cabral enquanto ícone. Outros elementos também trabalham para o efeito. Assim, o súmbia, usado tipicamente por alguns homens das comunidades guineenses e senegalesas e que fora usado por Cabral, tornou-se o símbolo de Cabral. Para muitos o sumbia é representativo de Cabral, a bandeira de Cabral revolucionário, associado erradamente somente àquele homem. Algumas palavras de ordem ou frases cabralianas, tornadas clichés, reproduzidas muitas vezes junto das fotos de Cabral, nas t-shirts, videos no You Tube, ou outro aparato, facilitam a reprodução, inconsciente muitas vezes, de Cabral enquanto ícone.

O problema deste desenvolvimento (de Cabral enquanto ícone) é que obstrui um real conhecimento da obra e vida intelectual de Cabral. A imagem-forma torna-se primordial e predominante eclipsando ou mesmo ofuscando a essência intelectual e política do homem. O ícone torna-se o alfa e o ómega em si mesmo, desentivando a procura do real significado da obra política e teórica do homem. Por outras palavras, a difusão de Cabral enquanto ícone atrapalha mesmo um conhecimento da história, ao transformá-lo numa imagem a adorar ou mesmo a idolatrar, um semi-deus político com poderes extra-humanos. Tal situação contradiz mesmo com o dictum de Cabral quando este sempre recusou qualquer culto de personalidade ou qualquer associação a qualidades extra-humanas, dizendo ser “um simples africano.” Por isso, deve-se a todo custo evitar idolatria, pois com a idolatria vem o perigo da perda de um sentido crítico de análise das ideias e práticas cabralianas.

Por fim, existe o menos conhecido atualmente dos Cabrais, Cabral enquanto teórico e ideólogo. É necessária um pausa para afirmar que uso a expressão “teórico” no mais nobre sentido da palavra, isto é, aquele que desenvolve abstractas e coerentes ideias e ideais que facilitam a ação social e política ou o entendimento da realidade envolvente. Assim sendo, Cabral enquanto teórico advém da sua vida política caracterizada por um namoro contínuo entre a teoria e a praxis políticas, em que as duas dialogam e se influenciam mutuamente.

Cabral produziu uma vasta quantidade de obras. As suas reflexões e análises eram profundas, metodologicamente coerentes e caracterizadas por um elevado sentido crítico. Como “teório-em-chefe” da organização política a que liderava, Cabral preocupava-se mais em colocar questões generalizantes e abstractas, ainda que tais tinham como pano de fundo as realidades concretas de Cabo Verde e da Guiné-Bissau. As teorias cabralianas de suicídio de classe, de cultura e libertação nacional, a distinção entre a independência nacional e libertacão nacional, entre muitas outras teorias por si desenvolvidas, foram e são alvos de contínuas reflexões no mundo académico —paricularmente no seio dos Estudos Pós-Coloniais e Afro-Americanos onde ainda muito se discute sobre a influência das teorias de Cabral na formulação de pós-colonialidades e/ou nos vários movimentos sociais afro-americanos dos anos 60 e 70 — a título de exemplo, recentes estudos descortinam a influência das teorias de Cabral nos líderes afro-americanos tais como Huey Newton dos Black Panthers, Amiri Baraka ou mesmo Stockley Carmichael, aka Kwame Touré, este último chegou a exilar-se para a Guiné-Conakry tentando entrar nas fileiras do PAIGC — para os menos informados sugiro que tirem partido das novas tecnologias de informação e façam uma pesquisa no google books.

Cabral enquanto teórico e ideológico é pouco conhecido porque as suas teorias não fazem parte do curículo académico dos nossos jovens e os nossos investigadores académicos temem escrever e reflectir sobre o homem (medo de represálias?!). Poucos são os que têm a preocupação de ler os seus escritos . Cabral enquanto ícone ofusca e limita o alcance do Cabral enquanto teórico: o primeiro está para a estátua de Cabral na cidade da Praia como o segundo está para a estátua dele do Aeroporto internacional. Esta última está mais próxima de representar a realidade e, não obstante, assim como as ideais do homem, perde-se facilmente nas retinas dos caboverdianos…

Cá para mim, o último Cabral, enquanto teórico, é de longe o mais essencial. Não obstante estar em desacordo com vários dos preceitos enunciados por ele, considero importante revisitar os escritos de modo a entender não só uma parte considerável do processo histórico recente (de onde viemos e para onde iremos) mas também como fonte de inspiração filosófica e moral política. É preciso estudar Cabral mais e mais vezes, ainda que discordemos da totalidade do que ele escreveu. Afinal é nosso dever “aprender na vida, aprender junto do povo, aprender. nos livros e nas experiências dos outros. Aprender Sempre…” FONTE

Etiquetado , , , , ,

Podcast Zarpante 08

Convidamos nossos parceiros, nosso público e todos os amantes da boa música a subirem a bordo da nau Zarpante  para mais uma viagem por sonoridades de terras lusófonas! Podcast Zarpante do mês de Julho de 2012 está no ar!

A viagem começa no Brasil, passa por Cabo Verde, Guiné-Bissau, Portugal, Moçambique, Angola, São Tomé e até pela Galicia!

Manecas Costa, Narf, Aline Frazão, Biru , Mike el Nite, Rubinho Jacobina e sua música inédita, Jack Nkanga e muitos outros artistas!

Estão servidos?

Acaba de sair do forno!

1- Calango Mindelo  de Rodrigo Lessa
2- Bom Dia Cabo Verde De Patalino
3- Palavra D honra por Mabulu
4- Vento Lento Inédita de Rubinho Jacobina
5- Cabeludos  de Jack el Nite
6- Dissa na M bera  por Super Mama Djombo
7- Antonia de  Manecas Costa
8- Sikama ft Jack Nkanga
9- Todo fado é vadio por Biru
10- From Maputo to Detroit  por Moçambique producers
11- 24-7 por Orelha Negra
12- Radinho por Pipo Pegoraro
13- Funchal 23 por S.A.R.L.
14- O sonhador de Aleh Ferreira
15- S-Tomé por Aline Frazão
16- Tira a mão da minha Xuxa! Pelo grupo  Os Untues
17- Esta Noite de Manecas Costa e Narf!
18- Sonhador! De Jack Nkanga ( Em breve um projeto de captação para clipe desta música em nosso site !)

– Podcast Zarpante 01

– Podcast Zarpante 02

– Podcast Zarpante 03

– Podcast Zarpante 04

– Podcast Zarpante 05

– Podcast Zarpante 06

– Podcast Zarpante 07

– Podcast Zarpante 09

– Podcast Zarpante 010

– Podcast Zarpante 011

– Podcast Zarpante 012

– Podcast Zarpante 013

– Podcast Zarpante 014

– Podcast Zarpante 015

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Lusofonia no Facebook!

“O Facebook fez as contas e descobriu que a maior parte das ligações de amizade, na rede, segue os trilhos dos idiomas e dos antigos impérios coloniais.

Hoje a empresa tem  cerca de 845 milhões de utilizadores ativos em todo o mundo e uma riqueza de dados sobre nós.

Por isso constatou que a maioria dos relacionamentos  se concentra entre países ou territórios que estiveram sob o domínio do mesmo país e que adquiriram o mesmo idioma.

Os utilizadores de língua espanhola  estão  fortemente ligados  a Espanha. Os brasileiros permanecem firmemente ligados a Portugal, assim como pessoas de Moçambique,  de Angola e da Guiné-Bissau.

Como diz o ditado, a  falar é que a gente se entende, sobretudo na nossa língua materna.”

Fonte:  http://www.economist.com/blogs/graphicdetail/2012/03/daily-chart-12

http://ppplusofonia.blogspot.fr/
Ver:  Português e espanhol entre os idiomas mais falados http://ppplusofonia.blogspot.pt/2008/03/portugus-e-espanhol-entre-os-idiomas.html

Etiquetado , , , , , ,

Parcerias Zarpantes!

Hoje gostaríamos de apresentar nossa rede de parceiros! Entidades espalhadas pelo mundo com as quais já firmamos parcerias! Um post para que fiquem todos conhecendo nossos parceiros e para que estes possam interagir entre si! Cliquem nas fotos ou logos para acessar os sites! Temos outros links em nosso site que são de rádios, podcasts ou entidades que curtimos.Divulgaremos esses links em outro post! Para as pessoas físicas ou jurídicas que quiserem estabelecer uma parceria com Zarpante, basta que escrevam para o zarpante@gmail.com e mandem suas sugestões! Quanto mais parceiros em diversas áreas conseguirmos, mais facilmente poderemos articular projetos de interesse publico que venham enriquecer nossas sociedades artísticas e culturais! Estão todos convidados!

Em Angola:

1-

Blog e Podcast de alta qualidade! Lusofonia musical a flor da pele! O responsável pelo site vem de Angola mas mora nos Estados Unidos! Por isso o texto em inglês abaixo para apresentar um site bilingue!

“Without music, life would be an error.” Friedrich Nietzsche

Caipirinha Lounge is all about music in Portuguese or by Lusophone artists. It’s born out of a sincere belief that Lusophone music should reach a much larger audience. The lounge features music from Brazil, Angola, Portugal, Guine-Bissau, Cabo Verde, São Tomé & Principe, Mozambique, Galicia, and even Timor-Leste. Occasionally, there will be posts about singers so good that the fact that they do not sing in Portuguese is momentarily overlooked.

2-Eu Sou o som das letras a magia das Palavras

Movimento Artístico e Cultural Lev´Arte.

* Fundado em Angola aos 20 de Julho de 2006;
* Inaugurado no Brasil aos 25 de Maio de 2009.

Parceiros que  trabalham com distintas formas de arte mas principalmente poesia e literatura!

No Brasil:

1-

O Rio de Janeiro é muito mais do que o Corcovado, o Pão de Açúcar e Copacabana.

Go To Rio é um ambiente onde quem está interessado em obter informações sobre tudo o que a cidade tem a oferecer pode encontrar com pessoas que realmente conhecem o Rio e desejam trocar experiências.

Esta troca é possibilitada por uma combinação das mais modernas tecnologias de rede social, guias online e sites de avaliações de atrativos e estabelecimentos, como:
– Criação de perfil com mural
– Caixa de Mensagens
– Chat
– Busca e adição de amigos
– Grupos
– Blogs
– Compartilhamento de fotos e vídeos
– Fórum
– Feed de notícias
– Busca de informações e avaliações de locais para visitar, comer e se hospedar
– Calendário de eventos

Busque, interaja, informe-se e compartilhe sua experiência na cidade maravilhosa, Go To Rio

2-Parceiros de São Paulo! Áudio estúdio jovem porem com profissionais super qualificados! Ajudam Zarpante a produzir nosso querido Podcast!

3-A Empresa Penna Firme… O músico Penna Firme e seus projetos  com outros músicos , rádios, etc. Representando a cidade maravilhosa e seus novos artistas!

4-O espaço Localizado no centro da cidade de Fortaleza, contribui e contribui para revitalização do Centro da cidade e se tornou mais que o espaço cultural mais democrático do Ceará, como mencionou o Anuário da Literatura do Ceará, e sim um local de aprendizado, de conversas, de alegria, de Economia Solidária.

    Com Programação todos os sábados ( Veja a nossa Agenda ) O Espaço abriga o ponto de leitura ( contemplado pela Secultfor, através do edital mais cultural pontos de leitura) Poemoteca Manoel Cesár, realiza projetos como o Viagens Poéticas (Aprovado pela Secultfor, através do edital das artes 2010), sem esquecer, é claro do nosso Descansódromo.
Venha conhecer e visitar o Templo da Poesia:
Rua Barão de Aratanha, 201, Centro
Fortaleza-CE
CEP 60050-070
Contatos (85) 86034105 (85) 85328178
Nos Estados Unidos:
1-

BDCi.TV é um canal de televisão na Internet que chega com a proposta de revolucionar o mercado da multimídia, trazendo informação de qualidade e jornalismo! O site funciona como fonte de informação para profissionais brasileiros no exterior e para a comunidade americana com interesse na cultura & economia do Brasil.

Brazilian Digital Channel – Internet TV. A Brazilian internet channel located in Los Angeles providing Brazilian and Americans with the latest in the world’s and local news and a diversity of shows in Portuguese and English.

Na França:
1-A Alter’Brasilis é uma associação sociocultural de divulgação da cultura brasileira e da lusofonia na França. Acreditamos que a língua seja o primeiro passo para descoberta de uma cultura, razão pela qual oferecemos cursos de português em mini-grupos. Por outro lado, organizamos vários eventos visando criar um espaço de intercâmbio cultural e linguístico para nossos membros. Alter’Brasilis est une association socioculturelle qui fait la promotion de la culture Brésilienne et de la lusophonie en France. Nous pensons que la langue est un premier pas incontournable dans la découverte d’une culture, c’est pourquoi nous dispensons des cours de portugais en mini-groupe. Par ailleurs, nous organisons différents évènements dans le but de créer un espace d’échange interculturel et linguistique pour nos adhérents.

2-O Brasilité oferece uma maneira bonita de exportar nossa cultura e educar a ”gringalhada” sobre o Brasil além das praias e das bundas. É também um meio interessante de importar a cultura dos outros, e aprender que nem todo francês usa boina e come queijo dia e noite. O conteúdo varia entre tudo e qualquer coisa, desde que mantenhamos o respeito e possamos ensinar e aprender algo novo no fim do dia.

Brasilité offre une belle façon d’exporter notre culture et apprendre aux étrangers des choses sur le Brésil, autres que les plages et les fesses. C’est aussi un moyen intéressant d’importer la culture d’autrui, et de signaler que tout français ne porte pas un béret jour et nuit. Le contenu flotte entre le tout et le n’importe quoi, du moment où nous gardions le respect et puissions apprendre et faire apprendre quelque chose en fin de journée.

 

Na Holanda:

1-Desde 2003, produzindo e promovendo projetos ligados a cultura brasileira na Holanda.

 

Em Moçambique:

1-Kuphaluxa – significa Disseminar, daí o nosso lema: “dizer, fazer e sentir a literatura”

Associação Movimento Literário Kuphaluxa é uma agremiação artística literária que tem como fim divulgar e estimular o gosto pela literatura, sem fins lucrativos, dotado de órgãos democráticos.

Fundado em 2009 e apadrinhado pelo Centro Cultural Brasil – Moçambique, o Movimento Kuphaluxa, norteia-se pelos objectivos principais de, promover a literatura moçambicana na diáspora; incutir o gosto pela leitura no seio dos jovens; promover e divulgar novos aspirantes do mundo literário em Moçambique, bem como, permitir o intercâmbio entre amantes da literatura moçambicana e de outros países de língua portuguesa, com o principal enfoque para o Brasil.

Para a consolidação desses objectivos, o movimento, desenvolve várias acções nas escolas, nos centros culturais, nos bairros e outras instituições e lugares de acordo com projectos concretos, como é o caso das cadeias, onde oferecemos livros e revistas literárias como forma de incentivar à leitura e permitir o livre e fácil acesso ao livro.

Como o nosso movimento é principalmente, é maioritariamente constituído por jovens com um grande envolvimento na produção literária (declamadores, contadores de estórias, escritores nos diferentes géneros literários), nos destacamos na participação de eventos culturais, não apenas virados a literatura, como forma de divulgar e promover estes artistas e servindo-se dos eventos para chamar a atenção sobre o que diz respeito a valorização e consumo do património literário nacional.

A nossa sede situa-se na cidade de Maputo, capital de Moçambique e temos, por enquanto, representações noutras cidades do País (Matola, Xai-Xai, Tete, Nampula e Lichinga), que pretendemos, torná-las em delegações, de modo a permitir que os amantes da literatura nessas cidades possam ter a oportunidade de aliarem-se ao movimento e ao activismo literário.

Podem ser membros deste movimento, todos cidadãos moçambicanos e brasileiros (que gozem do direito de residência legítimo no País).

Mas também, o movimento distingue outro tipo de membro que permitem a participação de pessoas singulares como associadas, através da nomeação destes como membros honorários e colaboradores, em virtude do impacto das suas acções para o desenvolvimento como organização.

Pelo Mundo:

1-

A Conexão Lusófona é a primeira organização de jovens da Lusofonia e surgiu da vontade de um grupo de amigos em trabalhar para uma maior integração das culturas e sociedades a que pertencem.

Hoje, é antes de qualquer coisa, um movimento em prol da interculturalidade empenhado na construção da identidade cultural lusófona assim como no desenvolvimento e projeção da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, ou da Lusofonia em seu sentido mais amplo.

No cerne do projeto está uma rede social além fronteiras que promove diversas iniciativas para fomentar a troca de experiências e conhecimento entre os falantes da língua portuguesa, procurando desenvolver um sentimento de identificação e pertencimento a uma comunidade, que se constrói através da integração especial de todos os seus membros, preservando a diversidade que a caracteriza e destacando as similaridades que unem seus países e regiões.

Em resumo, a Conexão Lusófona acaba sendo um lugar para jovens de todas as partes do mundo descobrirem, experimentarem, reflectirem e ajudarem a construir uma Lusofonia que lhes pertence.

 

 

Em Portugal:

1-Sotaques.com é uma ponte permanentemente aberta à comunicação entre os vários sotaques brasileiros e portugueses!

 

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: