Arquivo da tag: gravadoras

Líder do Radiohead defende os direitos dos artistas

Os tempos mudam, os problemas persistem…

A industria musical sempre teve um grande problema: quem mais ganha com a venda de um disco, são as gravadoras e não os músicos. A internet, e seus novos meios de distribuição representam uma alternativa interessante, que poderia realmente mudar a maneira como se produz e como consumimos música. Poderia ser o caso do site Spotify, que surge como um dos novos líderes no mercado da música digital, mas que precisaria ter uma melhor repartição dos ganhos entre gravadoras e artistas, para não vir a ser apenas mais uma simples reprodução online, das lojas offline.

Thom Yorke, Radiohead, e também Nigel Godrich, produtor do grupo, declararam guerra à plataforma sueca de streaming, Spotify. Eles estimam que a plataforma remunera mal os novos artistas e por consequência, eles retiraram todos seus trabalhos do site.

Eis o que disse  Thom Yorke no Twitter: « Não se enganem: os novos artistas, que vocês descobrem no Spotify, não serão pagos. Enquanto isso, os acionários estão enchendo os bolsos».

Ele estima que «pequenos labels e jovens artistas» não podem chegar lá vendendo suas músicas pelo Spotify.

Calcula-se que  para cada música escutada, o artista fique com um valor entre 0,003 et 0,005 Euros! Um sistema que não é realmente rentável para os “pequenos”. Ninguém há de negar!

As grandes gravadoras como Warner, Universal e Sony, acionistas do Spotify, ficam com a maior parte dos fundos. E é exatamente contra isso que Thom Yorke e seu grupo estão revoltados, mas apesar de terem reaberto o debate, tem muitos artistas por aí que discordam do Radiohead!

radiohead-in-rainbows

Tim Vignon, o ex manager do grupo Streets (que se fosse realmente artista não seria manager), pergunta:

«Se o grupo se sente tão preocupado com os novos artistas e suas remunerações, porque que eles não doam alguns de seus milhões a alguns desses novos artistas?». Esse mesmo rapaz, trabalhou como acessor de imprensa para The Verve, e na época, criticou o Radiohead por ter lançado gratuitamente um álbum deles pela net. Agora Zarpante pergunta: A música é do Radiohead certo? Então quem é o acessor de imprensa dos The Verve para falar sobre o que Radiohead deveria ou não fazer com sua própria música?

Tim Vignon argumenta:

« Um grupo que nada no dinheiro, resolve distribuir um cd gratuitamente unicamente poque eles podem se dar esse privilégio. Além do mais isso promoveu uma tourné mundial muito rentável, sem falar no dinheiro vindo das rádios, etc […]».

Quanta à Spotify, eles argumentam o seguinte:

«Nós já pagamos 500 milhões de dólares aos músicos sob forma de direitos autorais e até o fim do ano esse número irá atingir a marca de 1 bilhão de dólares. Boa parte desse dinheiro é investido para fomentar novos talentos e produzir novos grupos».

Radiohead, e seu líder Thom Yorke, desejam « encontrar um sistema no qual os artistas, os produtores, e todos os criadores de música, possam receber o que eles julgam ser uma remuneração justa e equlibrada»

O debate está apenas começando!

E você músico português, angolano, brasileiro, etc… O que acha desse debate?

Etiquetado , , , ,

22 razões para baixar músicas pela internet

Um site musical francês  quis saber do seu público, as razões que os levava a baixar músicas ilegalmente.

É importante tentarmos entender essas razões para que tanto o público, quanto os artistas encontrem um equilíbrio sustentável.

Há mais de 10 anos, uma quantidade importante de obras tem sido baixadas ilegalmente pela internet, e destituindo um direito dos artistas: de serem remunerados pelos seus trabalhos. Paralelamente, da maneira como estava a industria musical, quem acabava lucrando mais com a venda de cds eram os produtores e as grandes gravadoras, mas o músico, que deu origem a obra, sempre foi um dos menos remunerados pela sua própria música.

Se algumas das razões que citadas abaixo são ilárias, outras merecem uma séria reflexão. Confira a seguir algumas das respostas que o site “Donne ta musique” recebeu.

Copyright ou Copyleft?

Copyright ou Copyleft?

Confira as 22 razões:

01– Para descobrir novidades. Já me fizeram pagar um cd por somente três boas músicas e agora tenho a opção de  escutar o CD antes de eventualmente comprá-lo.

02– Em relação a primeira razão, mesmo quando se pode ouvir 30 segundos de uma obra, isso não representa  de maneira alguma a totalidade da música.

03– Para economizar meu dinheiro: os preços são muito altos.

04– A qualidade sonora dos arquivos presentes na internet, não é suficiente para que eu gaste meu dinheiro neles.

05– Sou impulsivo e é muito mais fácil para mim encontrar um álbum por torrent que em outros sites.

06– Espero por um álbum durante meses (para não dizer anos), e encontro ele na internet duas semanas antes da data oficial de lançamento. O que eu deveria fazer na sua opinião?

07– Honestamente: nem tudo que procuro está no  iTunes ou no Bandcamp.

08– O artista não faz dinheiro. Eu roubo as gravadoras e não estou nem aí.

09– Prestigio vários espectáculos por ano. Muitas vezes graças ao dinheiro economizado baixando álbuns que descubro pela internet.

10– Antes da internet, eu fazia várias mixtapes em casa com a TDK 90 minutos e isso era tolerado. Baixar músicas pela net é simplesmente uma evolução.

11– A internet é a nova Rádio.

12– Porque eu deveria pagar por álbuns do Michael Jackson? Ele está morto e não precisa do meu dinheiro.

13– Porque eu deveria pagar por álbuns do Jay-Z?  Ele é milionário e não precisa do meu dinheiro.

14– A 20 anos paguei por um vinil, em seguida vocês me fizeram pagar por um CD e agora querem que eu pague pelo mesmo álbum em versão numérica? Acho que já incentivei suficientemente o músico.

15– Não guardo a música por muito tempo. Utilizo como utilizaria uma biblioteca pública.

16– O provedor de acesso à internet deveria pagar uma parte do valor. Assim o preço dos álbuns ficaria mais em conta.

17– Nunca vão descobrir que baixei músicas.

18–  Sou um influenciador. Me “dar”um disco provoca a venda de muitos outros. Vejam isso como uma estratégia de divulgação.

19– Assim como nos jogos e nos filmes, o produto vendido é sempre mais complexo e difícil de utilizar.

20– Não tenho nenhuma relação afectiva ou emocional com o objecto ou com sua possessão.

21–  A música não é uma prioridade na minha vida

22– Todo mundo faz isso.

E a lista poderia continuar sem fim…

Os amigos piratas se reconheceram?

Os amigos músicos tem soluções para propor?

Veja também:

O Moby fez! Se ele pode, porque outros músicos não poderiam?

Etiquetado , , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: