Arquivo da tag: Financiamento coletivo

Mais um jornal interessado por crowdfunding

Mais um jornal português demonstra interesse pelo crowdfunding! Como não poderia deixar de ser, falou-se de Zarpante!

Vejam abaixo o parágrafo que nos diz respeito na interessante matéria do jornal Negócios:

Screen Shot 2014-02-01 at 15.30.32Screen Shot 2014-02-01 at 15.26.46

Etiquetado , , , , , , , ,

O Crowdfunding mais uma vez nas páginas do Público

Um artigo de um dos diretores de Zarpante publicado pelo Jornal Público!

Capture d’écran 2014-01-14 à 14.48.48


Crowdfunding
, um meio eficiente para diminuir o risco da produção artística e cultural

HENRIQUE MORETZSOHN DE ANDRADE

20/12/2013 – 00:30

crowdfunding (ou financiamento participativo) surge como uma ferramenta para limitar os riscos inerentes à produção.

Num mundo cada vez mais interligado e globalizado, é normal que a oferta artística e cultural seja cada vez maior e que, por consequência, a concorrência por alguns minutos de visibilidade também seja mais aguerrida.

Trata-se de ganhar a atenção do público dividido entre milhares de outros projectos. Para isso, não há segredo: talento é importante, porém o investimento é imprescindível.

Nesse sentido, a tarefa dos produtores artísticos e culturais requer um apoio financeiro crescente. Esse suporte financeiro é um risco que até hoje sempre foi da responsabilidade exclusiva do produtor e/ou do artista.

Cansados de correr esse risco e de perderem dinheiro a cada empreitada, os produtores encontraram uma “fórmula mágica” para não perderem mais as suas apostas: homogeneizar a oferta artística e cultural, utilizando massivamente os media para habituar e adaptar o público a consumir sempre as mesmas coisas.

Produzir um concerto, um livro, um filme, uma peça de teatro… requer não somente fundos como principalmente público. Ora o crowdfunding (ou financiamento participativo) surge como uma ferramenta para limitar os riscos inerentes à produção.

Ao utilizar o crowdfunding como um sistema de pré-venda, o produtor passa a ter um termómetro do interesse pelo seu projeto e, paralelamente, conquistar visibilidade, público, e apoios financeiros.

Suponhamos que um produtor queira lançar um álbum de um novo talento. Os cálculos do produtor indicam que para a gravação do disco ele vai precisar do valor X e que a partir de um certo número de discos vendidos ele começará a ter lucro.

Graças ao crowdfunding, esse produtor não precisa mais de fazer uma aposta de olhos vendados e pode utilizar a sua campanha de crowdfunding como o primeiro passo da produção que irá provar que realmente existe público para esse álbum e que por consequência valerá a pena investir neste trabalho.

Há que lembrar que o produtor estará compartilhando os riscos mas que os direitos autorais permanecerão intactos.

Produtores e artistas confirmados também encontrarão caminhos interessantes graças ao crowdfunding. Porque muito além de ser uma simples ferramenta de captação, o crowdfunding deve ser visto como uma oportunidade única para aumentar e fidelizar o seu público, estabelecendo com este uma relação mais interativa.

Seja na área do jornalismo ou da cultura, se o público hoje não deseja mais ser um consumidor passivo, utilize o crowdfunding e a Internet para que seus fãs tenham um verdadeiro papel na sua estratégia. A melhor ferramenta de marketing, de divulgação, de financiamento é o seu próprio público.

Levando em conta a forte expansão do crowdfunding, a nível mundial, plataformas de crowdfunding vêm estabelecendo parcerias estratégicas com produtores artísticos e culturais, bancos e outras entidades.

Director da Zarpante, Plataforma de Crowdfunding

Fonte: http://www.publico.pt/cultura/noticia/crowdfunding-um-meio-eficiente-para-diminuir-o-risco-da-producao-artistica-e-cultural-1616916

Etiquetado , , , , , , , , , , , , ,

Uma Morte Súbita cheia de vida

Custou mas chegou lá! Mais um projeto de crowdfunding que atinge a meta no site Zarpante!

O projeto Morte Súbita atingiu a meta de 1630 Euros que serão utilizados para a compra de materiais cênicos para a peça de teatro.Agradecemos a todos os que contribuíram para que o projeto se consolidasse, seja com aportes financeiros, ou ainda divulgando em redes sociais e na mídia. Lamentamos a falta de visão de tantas entidades e pessoas jurídicas que poderiam ter consolidado um marketing cultural positivo e financeiramente acessível se tivessem contribuído para essa peça que ainda vai dar muito o que falar.

Projeto 100% financiado

Projeto 100% financiado

Felicitamos todos os membros da Companhia 33 Ânimos pelo esforço e pela dedicação que deram à campanha de crowdfunding inscrita no site Zarpante e agradecemos pela confiança.

Finalmente, lembramos que todos os atores, diretores, às companhias, às salas de teatro, etc, que tiverem projetos para os quais precisem captar fundos, podem contar com o nosso apoio!

Etiquetado , , , , , , , , , ,

Um cálculo simples

O cálculo abaixo é tão simples que até uma criança entenderia! A diferença entre você a criança é que a criança não tem sequer como apoiar o projeto com um Euro. Mas você tem não tem?

imag

Retire da meta total de 1630 Euros os 307 Euros de contribuições já feitas ao projeto Morte Súbita: faltam 1323 Euros é o que falta ser arrecadado nestes 3 últimos dias de projeto!

Parece muito para 3 dias? Pois veja bem: a peça será apresentada no teatro A Barraca que conta com duas salas. A sala número um tem uma lotação de 162 lugares e a segunda de 153 lugares. Por consequência, seja qual for a sala em que será representada a peça, teremos mais de 100 lugares a disposição do público!

Agora imaginemos o seguinte: se cada pessoa que for assistir a peça, fizer um gesto simbólico a mais, poderemos atingir a meta e a Companhia 33 Ânimos terá como apresentar a peça com  todos os recursos desejados. Em resumo quem acaba ganhando com isso é o próprio espetáculo e, claro, o público.

O cálculo é o seguinte:

– Lotação sala 1 = 162 lugares. Suponhamos que dos 162 lugares apenas 110 tenham sido comprados! Se dividirmos 1323 por 110 o resultado é de 12 euros por pessoa! Esse é o valor que seria necessário por pessoa se 110 pessoas participassem do projeto! E não é exagerado pensar em 110 pessoas já que a sala em que a peça será apresentada pode conter ao menos 50 pessoas a mais.

Pois é vendo assim, é realmente algo acessível contanto que as pessoas parem de procrastinar e percebam a importância que tem a participação ativa da sociedade no financiamento artístico e cultural.

Última chamada: clique aqui e participe!

Etiquetado , , , , , , , , , ,

10 motivos que podem levar seu projeto de crowdfunding a falhar

crowdfunding-

Lançar um projeto de crowdfunding representa bastante trabalho! Exige que a pessoa se invista no próprio projeto, lance uma campanha, e fique pedindo contribuições compulsivamente. Será necessário contatar suas redes sociais, blogs, jornais, revistas, para que escrevam sobre seu projeto e ajudem a divulgá-lo. o tempo voa e seu projeto tem um prazo!

Algumas campanhas parecem que não vão atingir a meta financeira até o ultimo minuto e subitamente alavancam e chegam a meta! São campanhas geralmente lançadas por pessoas que sabiam perfeitamente preparar uma estratégia para que a divulgação do projeto fosse um máximo diversificada e atrativa.

Nada melhor que analisar projetos que não foram bem sucedidos para entender o que leva um projeto a atingir sua meta! Após analisarmos alguns projetos que passaram pela plataforma Zarpante e por outros sites, separamos um top 10 dos motivos que levam um projeto de crowdfunding a falhar.

Top 10 dos motivos que levam um projeto de Crowdfunding a falhar:

Motivo #10. Não deixar suficientemente claro para que serão utilizados os fundos. Se você espera que as pessoas contribuam, será necessário ser muito transparente e específico em relação ao orçamento e a como pretende utilizar os fundos. Forneça planos de ação detalhados, agendas definidas  e deixe claro quem ou o que irá beneficiar dos fundos arrecadados.

Motivo #9. Faltou um vídeo atrativo. Projetos sociais precisam de vídeos mostrando quem irá beneficiar da arrecadação. Projetos artísticos e culturais precisam de um teaser ou de um vídeo com um trecho do trabalho que está sendo produzido. O vídeo precisa ser minimamente bom para atrair pessoas e mostrar porque e como sua campanha merece ser apoiada!

Motivo #8. Vídeos longos demais. Faça com que seus vídeos sejam facilmente compartilháveis e não ultrapassem os 3 minutos.

Motivo #7. Vídeos com defeitos técnicos. Respeite seu público e grave algo em que o áudio seja claramente audível e o vídeo seja minimamente nítido. Você não precisa ter a última câmera com super definição HD, x,y,z, etc, mas esteja em um lugar não muito barulhento, com uma boa luz, etc…

Motivo #6. Deixe claras as regras para quem quiser participar, caso contrário as pessoas não irão entender o que precisam fazer.

Motivo #5. Insuficientes atualizações do projeto. Manter seus apoiadores e contribuidores atualizados é essencial. Publique ao máximo atualizações durante o prazo de seu projeto, para manter o público ativo. Existem casos de campanhas que pareciam fadadas a falhar, mas cujos responsáveis souberam, graças a atualizações criativas, alavancar o projeto e atingir a meta. Guarde alguns truques na cartola, e não jogue todas suas cartas desde o começo. Saiba quando e como preparar novos elementos para atrair mais público, e principalmente, para manter os apoiadores interessados pelo projeto, e, por consequência, divulgando-o.

Motivo #4. Falta de “ensaio”. Antes de lançar sua campanha, envie a página do projeto para amigos, familiares e fãs, para ter um retorno com as opiniões de cada um sobre a apresentação, o projeto em si, as recompensas, etc… Pessoas que não conhecem os responsáveis pelo projeto não passam entre 10 e 30 segundos visitando o link de sua campanha, por isso é necessário saber transmitir rapidamente sua motivação e sua paixão pelo projeto! Dessa forma mais pessoas terão vontade de se registrar no site para ajudar seu projeto.

Motivo #3. Falta de planejamento. Se deseja que sua campanha seja bem sucedida, será necessário que um máximo de pessoas ouça falar de sua campanha. Para isso, o ideal, é iniciar e incentivar um buzz mais ou menos 90 dias antes de lançar seu projeto. Faca uma pesquisa de como projetos similares ao seu se deram mal ou se deram bem, identifique e contate pessoas ou entidades influentes online que possam escrever sobre seu projeto e, credibilizá-lo e divulgá-lo aos olhos de potenciais apoiadores. Também nesse sentido, estabeleça uma verdadeira relação entre você e os apoiadores e esclareça suas dúvidas ao longo e depois do fim do prazo do projeto. Criar um calendário de tarefas pode ajudar. Pensar em uma estratégia de divulgação de seu projeto a curo, médio e longo prazo, surte ainda mais resultados.

Motivo #2. Falta de Tempo. Sua campanha tem um prazo definido e durante esse tempo, será necessário dar o máximo de atenção possível ao seu projeto. Se você tem outras incumbências, tente conciliar de forma que possa dedicar um tempo diário na divulgação de seu projeto. Por outro lado, utilize seu dia a dia como uma plataforma de divulgação de seu projeto: fale com seu padeiro de seu projeto, seu porteiro, seu professor, seu aluno, seus colegas em seu outro trabalho, nos eventuais shows ou eventos que organizar ou dos quais participar, etc…

Motivo #1. Falta de “capital”. Construa uma comunidade antes de começar qualquer projeto crowdfunding! Esse é o ponto crucial de sua campanha! quanto mais pessoas já fizerem parte de sua comunidade antes mesmo do projeto ser lançado, maiores as chances do projeto atingir a meta.

Todas essas dicas serão muito úteis caso estiver pensando em lançar um projeto de Crowdfunding, mas se já lançou um, e da primeira vez não funcionou, então esta lista vale ouro! Porque?

Um projeto pode atingir seus objetivos ao tentar uma segunda chance. Basta para isso, examinar a primeira campanha, definir os erros, e, evitá-los nessa segunda tentativa! De qualquer forma, ao fazer sua primeira campanha, você já criou uma comunidade online que não deveria ser desperdiçada. E isso é outra coisa genial do crowdfunding: mesmo que seu projeto não atinja a meta, acaba sendo divulgado, falado, ganhando visibilidade, e novos fãs e seguidores. Novos amigos no Face, no Twitter, seguidores no Youtube, e, principalmente, novos emails de pessoas interessadas por seu trabalho.

Pronto para recomeçar e reconquistar o apoio dessas pessoas que já se dispuseram a te ajudar e o de novas pessoas? Sua primeira experiência fracassada poderia ser a chave para o sucesso desta vez! Afinal, é ao cair da bicicleta que aprendemos não?

Vejam também:

– Dicas Crowdfunding

– 5 erros frequentes no Crowdfunding

Etiquetado , , , , , , , ,

5 erros frequentes no Crowdfunding

Evite que seu projeto fracasse e contorne 5 erros frequentes em campanhas de crowdfunding!

Se lançou ou pretende lançar um projeto de crowdfunding, Zarpante indica abaixo alguns erros a serem evitados.

Crowdfunding-Campaign-Film-Seatzy-300x208

-1- Expectativa

É cada vez mais comum vermos projetos multimilionários utilizarem o crowdfunding para captar fundos. No entanto, é imprescindível que os responsáveis pelos projetos sejam pragmáticos e realistas. Se um projeto tiver uma meta financeira muito elevada e pouco realística, as chances de que seja bem sucedido são reduzidas consideravelmente. Quase sempre, atingir uma meta menor é melhor do que não alcançar uma meta maior. Conheça os limites de seu projeto e seu “valor comercial”.

-2- Contribuições e recompensas

Contribuições consequentes são o que todos queremos, mas nunca esqueça que as menores contribuições também são essenciais. Se você  preparar recompensas unicamente para quem contribuir com valores mais elevados, ficará sem o apoio de uma enorme porcentagem de pessoas que não podem contribuir com 100 ou 1000 mas que adorariam participar com um euro que seja. Suas recompensas também não podem ter um custo muito elevado: se uma pessoa precisa colocar 100 Euros para receber um chaveiro em troca, há algo errado. Lembre- se de calcular o preço de produção de suas recompensas e o de distribuição, mas mantenha os preços das recompensas acessíveis.

-3- Branding

Bem como qualquer outro negócio, um projeto de crowfunding deveria ter uma “marca”. Isso ajuda as novas pessoas (fora da rede imediata dos responsáveis pelo projeto) a identificar e associar a marca ao projeto.

Pense no Web-design. no logo, no conteúdo, e, principalmente, em estratégias de marketing para que seu projeto alavanque. Cada paço de sua campanha deveria vir complementar o anterior de maneira organizada. Variar o máximo possível entre imagens, vídeos, textos para não cansar o público, sim! Mas de maneira organizada pois soltar imagens sem nexo pode confundir o público

-4- Marketing 

Não vá pensar que só porque seguiu a dica acima, colocou seu projeto no site de Crowdfunding, preparou um vídeo para apresentá-lo, e descreveu de forma inspirada seu projeto, irá conseguir o que precisa. O trabalho está só começando. Um dos erros mais comuns do crowdfunding é  o de negligenciar o marketing. Utilize táticas diversas para atrair as pessoas ao seu projeto: mostre quem você é, porque eles deveriam participar, e como podem se comprometer. Não tenha medo do marketing agressivo pois essa poderá ser a diferença entre um projeto que atinja ou não a meta financeira.

-5- Competidores selvagens

Como podem perceber, é muito importante ter em mente que um projeto de crowdfunding estará sempre competindo com vários outros e que levar a sério essa competição é essencial para que um projeto de crowdfunding seja bem sucedido.

Ainda que sua ideia pareça ser única, existem provavelmente outras pessoas tentando encontrar fundos para lançar uma ideia similar. Não dar a devida atenção à concorrência pode ser fatal. Por isso faça uma pesquisa do mercado antes de lançar seu projeto. Determine e entenda os pros e os contras de projetos na sua mesma área. Porque funcionaram ou porque não. somente assim poderá saber em que ponto se encontra o seu projeto comparado aos dos outros..

Etiquetado , , , , ,

Militar por uma causa

Vivemos em uma era em que as pessoas tem cada vez menos tempo a perder. Por consequência, observamos a um fenómeno curioso: cada vez mais, as pessoas “curtem” ou “compartilham” um artigo, sem sequer ter lido o artigo!

curtir-botao

Acontece com todos nós, e justificamos esse gesto pelo simples fato de todos estarmos com pressa! No entanto, quem acredita mesmo em uma causa, não sente estar perdendo seu tempo ao lutar por esta.

No crowdfunding por exemplo, muitas vezes o responsável por um projeto não deseja divulgar seu projeto por ter vergonha de estar pedindo ajuda financeira (vergonha que ele não teria ao pedir apoio governamental). Outras vezes, os responsáveis simplesmente acreditam que não é trabalho deles divulgar e sim da plataforma de crowdfunding. Nestes casos, não precisamos nem estudar as razões desses projetos não atingirem suas metas financeiras.

Mas quando os responsáveis pelo projeto e a própria plataforma de Crowdfunding trabalham de forma constante para divulgar o projeto,  e que ainda assim o projeto avança a passos de formiga, surgem algumas dúvidas.

É o caso do projeto Morte Súbita que está neste momento em busca de apoio financeiro para que o teatro independente não morra definitivamente em Portugal e no Brasil.

1383580_540163096071401_1994018868_n

O projeto deles está no site lusófono de Crowdfunding, Zarpante!

Tanto Zarpante quanto os responsáveis pelo projeto, tem divulgado bastante e neste fim de semana por exemplo contactamos mais de 800 pessoas para que conheçam o projeto e claro, para que participem deste. No entanto, até agora, apesar das mais de 500 visitas ao vídeo do projeto no Youtube, e dos mais de 600 compartilhamentos no Facebook, foram atingidos apenas 10% da meta financeira, graças a ajuda de 9 pessoas que contribuíram até agora! Se com 9 pessoas (número baixo), foram atingidos 10% da meta, quantas pessoas seriam necessárias para chegar aos 100%?

O nosso post de hoje vai para todas essas pessoas que curtem, mas não compartilham ou que contribuem mas não compartilham, bem como para as pessoas que sequer curtem, compartilham, ou contribuem.

O fato é que ao participar de um projeto de Crowdfunding, a pessoa não pode se dar por satisfeita. É muito importante que logo após fazer uma contribuição para um projeto, o mecenas divulgue nas redes sociais e entre seus amigos (mail, etc), que contribuiu para esse projeto e que conta com a participação de seus amigos para levar adiante o projeto! Da mesma forma, compartilhar é muito importante, e se pudéssemos, nós agradeceríamos pessoalmente cada uma das pessoas que compartilha os projetos em redes sociais e por mailing lists. No entanto, compartilhar somente, e não contribuir, pode acabar sendo não suficiente.

Agora pensemos o seguinte: as pessoas vivem falando de solidariedade, de união, de políticas e de sistemas económicos e governamentais alternativos. No entanto, é sempre na hora de passar ao ato, que uma boa parte dessa pessoas desaparece! Se realmente a natureza humana é solidária, se de fato acreditamos em frases como “o povo unido, jamais será vencido”, e que queremos mostrar que podemos mudar as coisas pouco a pouco, será necessário que deixemos de novas palavras para antigos conceitos!

Sim por que o Crowdfunding nada mais é que o famoso e milenar mutirão. Em outros termos, o Crowdfunding existe desde sempre e apenas foram mais organizados, e ganharam visibilidade graças a internet.

Por outro lado, é preciso que todos nós passemos a entender que para realmente mudar as coisas e ter uma voz que seja levada em conta pela sociedade, é preciso ter fundos para auto-sustentar as mudanças que desejamos. Nesse sentido o poder económico que temos ao juntar nossas forcas, pode e deve cada vez mais se tornar em uma alternativa aos preços elevados impostos pelo mercado, e a utilização inadequada e um tanto quanto elitizada dos fundos públicos. No sector cultural por exemplo nós realmente acreditamos que quando o povo passar a participar financeiramente de projetos nos quais acredita, passaremos a ter uma maior diversidade cultural e não seremos obrigados a ver ou rever os mesmos artistas geralmente contemplados e re-contemplados pelas poucas subvenções que estados como Brasil e principalmente Portugal, reservam à cultura.

Bem vocês entenderam: participar de um projeto de Crowdfunding é um gesto que deve ser encarado como militar por uma ideia! Poderemos realmente mudar as coisas quando as pessoas acreditarem em suas convicções e passarem a agir financeiramente para mostrar ao mundo que quando desejamos, podemos nós mesmos criar e sustentar nossos projetos independentes juntos e sem depender das grandes multinacionais ou dos governos

Etiquetado , , , , , , ,

Repensando o crowdfunding

Se você é daqueles que acredita que o objetivo principal de toda campanha de crowdfunding, seja captar fundos, está na hora de rever seus conceitos:

Vivemos uma revolução onde multidões “auto-organizadas” acendem a chama das mudanças sociais no mundo, por meio da  deslocalização dos poderes estabelecidos. A novidade é que as pessoas tem, graças à internet e às ferramentas de redes sociais, muito mais facilidade para encontrar outras pessoas que defendam a mesma causa, e comunicar. Dessa forma a palavra colaborar ganha novas dimensões.

 

O crowdfunding atrai cada vez mais artistas e criativos em busca de uma interação direta com seus próprios fãs, para que possam convidá-los a participar, de seus projetos, e juntos, tornando-os bem sucedidos. O elemento mais visível nesse processo, é o dinheiro, que sob forma de contribuição, troca de mãos. No entanto, é preciso prestar atenção em alguns elementos bem mais interessantes e potencialmente transformadores, em torno de uma campanha de crowdfunding.

O que é crowdfunding?

crowdfunding

O crowdfunding é um processo de comunicação e interação entre uma pessoa física ou jurídica que precise de fundos para criar algo novo, e uma massa de fãs que estejam prontos a participar de maneira ativa e construtiva. Trata-se principalmente de uma forma de colaboração aberta entre os participantes sob forma de:

  1. Um convite para fazer parte de um projeto bem sucedido; seguido de,
  2. Uma campanha para criar uma comunidade de pessoas que se mobilize em um esforço coletivo; culminando em,
  3. Um evento ou alguma forma de celebrar o que TODOS CRIARAM JUNTOS.

Agora mais detalhadamente:

Um convite para fazer parte de um projeto bem sucedido

Ao doar fundos para uma ONG, ou algum projeto caritativo, o doador permanece relativamente passivo. No crowdfunding, não basta contribuir: é necessário participar do esforço de divulgação, para que o projeto possa se espalhar pela rede. Quanto mais os fãs compartilharem e publicarem seu projeto, mais chances vocês terão, de juntos, atingirem a meta do projeto. Nesse sentido o crowdfunding se assemelha a campanhas e movimentos políticos que se organizam para encontrar cada vez mais pessoas dispostas a se esforçar pela causa. Não se trata apenas de contribuir financeiramente para uma causa, mas principalmente, de encontrar o máximo de pessoas que queira se engajar por sua causa.

Convide todos seus amigos, e peça para que eles convidem todos os amigos deles e peçam aos amigos que convidem todos os amigos, etc…

 

Uma campanha para criar uma comunidade de pessoas que se mobilize

Quanto mais pessoas contribuírem para seu projeto, mais visibilidade ele irá obter. Faça com que todas as pessoas que você conhece participem ao menos com um valor simbólico, e se realmente, algumas pessoas sequer puderem fazer isso, convide-as a espalhar a noticia e convocar pessoas a participarem, seja pela net, ou seja offline. Quanto maior for a comunidade de pessoas divulgando seu projeto, mais chances ele terá de atingir a meta financeira estabelecida.

 

Compartilhe recompensas:

Comemorar uma campanha bem sucedida com as pessoas que apoiaram seu projeto é uma ótima oportunidade para realmente criar um laço a mais com seus fãs. Celebrem o que vocês realizaram juntos! Esse é também o momento de entregar as recompensas prometidas para cada pessoa que contribuiu. Mantenha as pessoas que contribuíram para seu projeto constantemente atualizadas. É muito importante que cada pessoa que contribuiu para seu projeto, saiba da evolução do processo criativo, e que tanto as recompensas prometidas, quanto o próprio resultado final (objetivo do projto) sejam entregues nos prazos pré-definidos. Dessa forma, os fãs sentirão que fazem realmente parte do projeto e de seu resultado final, porque foram eles que fizeram que o projeto se tornasse possível por meio de suas contribuições..

Perceba que nenhuma das etapas do processo é realmente em torno do dinheiro. Claro, é necessário que os fãs contribuam monetariamente, e o total de fundos captado precisa ser suficiente para atingir as metas estabelecidas. Mas é necessário focalizar na busca de pessoas engajadas que se juntam e aumentam a massa mobilizada em torno de seu projeto para criar algo novo. É por isso que o crowdfunding tem tanto potencial para quem quer mudar a realidade social na qual vivemos. É um processo de deslocalização do poder, que leva pessoas a se engajarem em ações construtivas.

Em outros termos, o crowdfunding serve principalmente para aumentar a sua rede social, e sua base de fãs engajados (aqueles que comprariam um CD ou quadro seu mesmo que estivesse todo estragado e viajariam quilômetros sob chuva para ver uma apresentação sua).

Nada mal se considerarmos que o mesmo processo serve para captar fundos que permitirão a realização de projetos criativos e inovadores! Não acha?

O crowdfunding pode abrir a porta para um real engajamento

Quem trabalha na área das mudanças sociais pode utilizar o crowdfunding como uma ferramenta de organização, já que reúne engajamento e resultados concretos. Muitas pessoas estão insatisfeitas com  as organizações tradicionais porque seus métodos de financiar, baseados  em uma comunicação unilateral, são cada vez mais irresponsáveis, além de não propiciarem interação. As mídias sociais e suas ferramentas, facilitam a formação orgânica de redes conectadas diretamente entre si e capazes de determinar agendas e compartilhar conhecimentos, somando forças para atingir objetivos comuns.

Se o crowdfunding tem atraído cada vez mais adeptos, é porque vem provando ser uma maneira eficaz de democratizar o financiamento, tornando-o mais transparente e por consequência dando mais poder às ações e aos movimentos sociais. Tudo começou como uma simples maneira de ajudar uma banda local a gravar seu primeiro CD graças aos seus fãs (o que já era genial), e evoluiu até chegar a ser uma ferramenta reconhecida para contornar a burocracia das instituições e levar a ação diretamente à massa.

“Power to the people” como diriam alguns…

Para saber mais sobre crowdfunding ,ou lançar seu próprio projeto, visite nosso site: clique aqui.

Etiquetado , , , , , ,

O badalado crowdfunding

Porém, se o filme Inocente venceu  um Oscar em 2013, não é a primeira vez que a Academia se interessa por obras que nasceram em parte graças ao crowdfunding. Nesse ano, o documentário Kings Point  e o curta-ficção Buzkashi Boys também competiram ao Oscar, tendo respectivamente captado mais de 10.000 et 27.000 dólares graças ao financiamento coletivo. Além disso, três outros filmes financiados por crowdfunding também já tinham sido nomeados nos anos passados.

O fenômeno é similar na França, onde Le Sommeil d’Or, de Davy Chou, concorreu ao César de melhor documentário do ano, após ter recoltado mais de  11.000 euros em um site de crowdfunding. Consideremos ainda que 10% dos filmes selecionados para a mais recente edição do festival de Sundance, são filmes financiados totalmente ou em parte graças ao crowdfunding. Isso nos dá uma pequena ideia da amplitude do fenômeno e do reconhecimento institucional (por assim dizer) que o crowdfunding tem adquirido pouco a pouco…

Um recente estudo, encomendado por uma plataforma americana, indica que 2,7 milliards de dólares foram investidos por meio do crowdfunding em 2012, ou seja, um aumento de 81% em relação a 2011. Em torno de 12% desse valor diz respeito a filmes e teatro, que ficaram na frente dos projetos musicais com 7,5%.

Se falarmos unicamente da Europa, são 945 millions de Euros que foram contabilizados pelo estudo. As previsões para 2013 são de  5 bilhões de Euros no mundo todo. A revista Forbes, por sua vez, estima que o potencial de captação do crowdfunding irá se elevar à 1.000 bilhões de dólares em 2020.

Como tem se relacionado o crowdfunding com o audiovisual?

Nos  Estados-Unidos, a plataforma líder mundial, criada em 2008, possibilitou concretizar mais de 39.000 projetos, sendo que a grande maioria destes almejava um valor inferior  a 10.000 dólares.

Os filmes e os vídeos ocupam o segundo lugar no ranking das categorias mais prolíficas, logo atrás da música.

Estima-se que em 2012 274.391.721 dólares tenham sido realmente entregues aos “criativos”.

As estatísticas vertiginosas, escondem tanto histórias de sucesso, quanto grandes fracassos.

A série, Veronica Mars, que captou mais de um milhão de dólares em menos de 4 horas, é um exemplo de que tudo é possível na internet! No fim da campanha de captação, o projeto contava com algo em torno de  6 milhões de dólares. A receita do sucesso? Uma comunidade consequente de fãs (já constituída), vidéos lúdicos et recompensas interessantes. Detalhe: a Warner Bros se comprometeu a distribuir o filme caso a captação de recusros ultrapassasse os dois milhões de dólares… Mais uma façanha interessante do crowdfunding, democratizando a escolha dos programas a serem transmitidos na Tv e dos filmes que o público deseja ver serem realizados.

No entanto, nem tudo é azul nas plataformas americanas de crowdfunding: a cantora Bjork, mundialmente reconhecida, anulou um projeto no Kickstarter dez dias depois do lançamento, por falta de participação do público. Apenas  4% da meta  (375.000 Libras) tinham sido arecadadas. A ideia era financiar aplicativos relacionados ao álbum Biophilia. Razões do fracasso? : Recompensas insignificantes, relativamente inútil como projeto, e,  com certeza as pessoas não sentiram que a cantora islandesa precisasse realmente de ajuda., pois a cantora não deve ter se envolvido com sua própria campanha.

A verdade é que com uma base de fãs que já esteja construída, que seja ativa e participe divulgando e contribuindo, alguns vídeos para soltar durante a campanha, uma estratégia engraçada porém sólida e pragmática, uma boa ideia bem explicada,  e claro, um mínimo de participação e de luta pelo seu  próprio projeto, qualquer um é capaz de atingir metas inimagináveis gracas ao crowdfunding!

E ai pessoal? Alguém se animou?

Acessem já o site Zarpante e saibam mais sobre a plataforma de Crowdfunding dedicada ao falantes da língua portuguesa! De onde quer que venham e onde quer que estejam, serão todos bem-vindos!

Etiquetado , , , , , , , , , ,

O Redentor existe graças ao crowdfunding

Cristo Redentor on Corcovado, Rio de Janeiro, ...

Cristo Redentor no Corcovado, Rio de Janeiro, Brasil (Photo credit: Wikipedia)

Que o Cristo Redentor é uma das novas 7 maravilhas do mundo, isso você já sabe, mas sabia que foi construido graças a uma forma de crowdfunding?

38 metros de altura sobre o alto do pico do Corcovado e seus 710 metros de altura. Essa estatua, que hoje  é considerada por 23,5% dos entrevistados pela Forbes, nos países da América Latina, como o maior símbolo da América Latina. A pesquisa foi feita pela internet e reuniu a opinião de 1 734 executivos de todos os países da região.

Além disso, é o local mais visitado do país pelos turistas!

A construção de um monumento religioso no Corcovado foi sugerida pela primeira vez em 1859, pelo padre lazarista Pedro Maria Boss, à Princesa Isabel. No entanto, apenas retomou-se efetivamente a ideia em 1921, quando se iniciavam os preparativos para as comemorações do centenário da Independência.

A pedra fundamental do monumento foi lançada em 4 de abril de 1922, mas as obras somente foram iniciadas em 1926. Dentre as pessoas que colaboraram para a realização, podem ser citados o engenheiro Heitor da Silva Costa (autor do projeto escolhido em 1923), o artista plástico Carlos Oswald (autor do desenho final do monumento) e o escultor francês de origem polonesa Paul Landowski (executor dos braços e do rosto da escultura). De certa forma, isso nos permite afirmar que a própria concepção do Cristo Redentor, foi feita de forma coletiva, antecipando o que hoje chamamos de Crowdsourcing ou Criação Colaborativa.

Ainda hoje, algumas pessoas dizem que o monumento foi um presente da França para o Brasil7 , quando, na verdade, a obra foi erigida a partir de doações de fiéis de arquidioceses e paróquias por todo o país (isso nada mais é que o que hoje chamamos de Crowdfunding ou Financiamento Coletivo), com o projeto de autoria e chefia do engenheiro Heitor da Silva Costa. Da França, vieram, apenas uma réplica de quatro metros feita de pequenos moldes, assim como modelos das mãos feitos pelo colaborador Landowski.

Fonte: Wikipédia

Com esses elementos em mãos, e cientes que esse mesmo tipo de coleta de fundos aconteceu para a Estátua da Liberdade, que tal pensarmos juntos em tudo o que podemos realizar?

Acesse o Site Zarpante e inscreva seu projeto!

Veja também:

– A Estátua da Liberdade e o crowdfunding

Etiquetado , , , , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: