Arquivo da tag: Cachaça

Sinônimos

Um texto sobre sinônimos na língua portuguesa:

Um político que estava em plena campanha chegou a uma pequena cidade, subiu para o palanque e começou o discurso:

“Compatriotas”, “companheiros”, “amigos”! Encontramo-nos aqui, “convocados “, “reunidos” ou “juntos” para “debater”, “tratar” ou “discutir” um “tópico”, “tema” ou “assunto”, o qual me parece “transcendente”, “importante” ou de “vida ou morte”.O “tópico”, “tema” ou “assunto” que hoje nos “convoca”, “reúne” ou “junta” é a minha “postulação”, “aspiração” ou “candidatura” a Presidente da Câmara deste Município.

 De repente, uma pessoa do público pergunta:

– Ouça lá, porque é que o senhor utiliza sempre três palavras, para dizer a mesma coisa? O candidato respondeu:

– Pois veja, caro senhor: a primeira palavra é para pessoas com nível cultural muito alto, como intelectuais em geral; a segunda é para pessoas com um nível cultural médio, como o senhor e a maioria dos que  estão aqui; a terceira palavra é para pessoas que têm um nível cultural muito baixo, pelo chão, digamos, como aquele alcoólico, ali deitado na esquina.

 De imediato, o alcoólico levanta-se a cambalear e ‘atira’:

– Senhor “postulante”, “aspirante” ou “candidato”:(hic) o “fato”, “circunstância” ou “razão” pela qual me encontro num estado “etílico”, “alcoolizado” ou “mamado” (hic), não “implica”,”significa”, ou “quer dizer” que o meu nível (hic) cultural seja ”ínfimo”, “baixo” ou mesmo “rasca” (hic). E com todo a “reverência”, “estima” ou “respeito” que o senhor me merece (hic) pode ir “agrupando”, “reunindo” ou “juntando” (hic) os seus “haveres”, “coisas” ou “bagulhos” (hic) e “encaminhar-se”, “dirigir-se” ou “ir direitinho” (hic) à “leviana da sua progenitora”, à “mundana da sua mãe biológica” ou à “puta que o pariu”!

sinonimos da palavra cachaca

Sinônimos de Cachaça!

Etiquetado , , , ,

Notícias do alambique

Ano passado captamos fundos para o projeto “Ceci n est pas de L’ eau”. Desde então, a equipe envolvida no projeto já foi ao Brasil, filmou em distintos alambiques e voltou a França para editar o filme!

A equipe

A equipe

Saiba mais na entrevista abaixo!

1. Por favor, apresentem a equipe de “Ceci n’est pas de l’eau”.

A equipe do Ceci n’est pas de l’eau consiste principalmente de duas pessoas – uma brasileira, Ana Clara, e um franco-americano, Yann-Yves. Nos formamos em cinema e comunicação pela Universidade Americana de Paris e trabalhamos nessa área desde então. No entanto, tivemos a ajuda de muitas pessoas durante as filmagens e o processo de pós-produção, no qual nos encontramos no momento. Somos muito gratos!

2. Como surgiu a ideia de fazer um documentário sobre cachaça?

551000_359308594143647_1148195058_n

Houve uma época em que o Yann-Yves trabalhava em um bar mexicano, onde havia tequilas e mezcais maravilhosos, e curiosamente um dos drinques mais populares era a caipirinha (de cachaça, claro). Eu (Ana Clara) sabia que a qualidade da cachaça usada não era das melhores, já que era uma cachaça industrialíssima, mas eu não sabia explicar o porquê. Foi aí que decidimos que seria interessante investigar mais sobre o destilado e, porquê não, fazer um documentario sobre o assunto.
3. Após captação bem sucedida no site Zarpante, partiram para as gravações no Brasil. Como foi essa etapa? 
Nós tivemos a sorte e a oportunidade de sermos apoiados por múltiplas plataformas. Não só atingimos a nossa meta através da Zarpante, mas também fomos, de certa forma, patrocinados pela cachaça Leblon – uma marca que, como nós, é internacional e tem tudo a ver com o nosso projeto. Com isso conseguimos um orçamento confortável pra uma produção independente. Tudo, tudo mesmo, deu certo durante as filmagens, e em momento algum ultrapassamos esse orçamento.

4. Foi a primeira vez de Yann-Yves no Brasil, quais são suas primeiras impressões? E agora como definiria o Brasil em uma frase?

Em um mês, visitamos mais de 10 cidades em 4 estados diferentes, o que pode parecer muito, mas na verdade foi muito pouco. Eu (Yann-Yves) adorei Minas Gerais em particular, porque vimos a área rural, uma parte do Brasil que não é muito exportada. Eu acho isso uma pena, já que é uma região maravilhosa, pela comida, pelas pessoas e pela vista. Em uma frase, eu diria que o Brasil não só correspondeu às minhas expectativas, como também me surpreendeu em vários aspectos.
5. Quando pensam apresentar ao publico o resultado final de ” Ceci n’est pas de l’eau”? Alguma estratégia especifica de distribuição?
Como qualquer outra produção audiovisual, documentários levam um tempo para serem montados – principalmente se a equipe permanente consiste somente de duas pessoas. Temos como meta o meio do ano para finalizar a edição, mas não estamos com pressa. Priorizamos a qualidade. Quanto à distribuição, continuamos estudando a melhor alternativa.
6. Quantos litros de cachaça beberam durante as visitas que foram levados a fazer.
Nós trouxemos de volta para França mais do que bebemos durante as filmagens, naturalmente. Ao todo conseguimos trazer discretamente umas 13 garrafas nas nossas malas…
Como levar isso tudo em uma mala para a França?

Como levar isso tudo em uma mala para a França?

7. Como distinguir uma boa cachaça de uma cachaça qualquer?

O processo de fabricação e o preço do produto final são boas indicações da qualidade do produto. Um litro de cachaça que custe menos do que um litro de leite (o que acontece, e é um grande problema) não pode ser coisa boa.
8. Como foi a feira da cachaça em Paraty, poderia descrever o evento para quem nunca foi?
Paraty por si só já vale a visita, mas um evento como esse dá um ar todo especial à cidade. Há até um roteiro gastronômico de cachaça, e a gente adorou provar todos os pratos típicos com um toque especial do destilado. O Festival da Pinga é o que pode-se esperar do nome – muita cachaça, muita festa, muita musica e muita, muita gente, de todos os horizontes. Recomendamos a visita durante uma hora ou dia mais calmo, em que se possa conversar com os produtores. Eles tem muitas histórias pra contar! Menção especial para Corisco e Engenho d’Ouro.

9. “Ceci n’est pas de l’eau” é vosso primeiro projeto de filme documentário. Quais são vossos projetos para o futuro?

Temos algumas ideias, aqui e ali. À voir!

10. Uma brasileira e um americano em Paris, poderiam por favor citar-nos seu diretores preferidos (um americano, um brasileiro, um francês).

 
Pergunta difícil. Ana Clara – Fernando Meirelles, John Waters, Jean-Pierre Jeunet.Yann-Yves – Walter Salles, irmãos Cohen, Mathieu Kassovitz.

A Sunday of Transcriptions from Ceci n’est pas de l’eau on Vimeo.

Etiquetado , , , , , , ,

Ceci n’est pas de l’eau! Mais um projeto atinge a meta financeira no site Zarpante!

Dois meses atrás, entrava em nosso site um projeto audiovisual sobre cachaça, Ceci n’est pas de l’eau (Isso não é água), chegou de mansinho e durante o  prazo que teve para atingir sua meta, refrescou a tripulação da nau Zarpante!

Foram semanas, escrevendo para entidades que trabalhassem com cachaça: Empresas que fabricam a bebida, lojas que distribuem  o produto, etc…

Foram muitas horas de leitura e de pesquisa sobre a danada da bebida e sobre todo o universo em volta da bebida alcoólica genuinamente brasileira!

Dias e dias escrevendo emails e postando em nossas redes sociais novidades e curiosidades sobre o projeto e seu andamento!

Sem falar na degustação de cachaça, na casa dos responsáveis pelo projeto, em Paris! A equipe Zarpante e os amigos que por lá estiveram, voltaram para casa de pernas tortas!

Projeto Ceci n'est pas de l'eau! Agradecimentos!

Projeto Ceci n’est pas de l’eau! Agradecimentos!

Hoje, temos antes de mais nada que agradecer, a todos os que contribuíram! Foram 34 mecenas incluindo pessoas físicas e jurídicas, que juntos, tornaram esse projeto possível!

Um projeto que apesar de ser sobre uma bebida brasileira, tem uma cara internacional até porque um de seus realizadores, é franco/americano! Um projeto que nos mostra como é positivo juntar pessoas de diferentes culturas em torno de uma mesma ideia! Uma brasileira e um franco/americano juntos para contar, em português, um pouco mais sobre a cachaça! Foram várias pessoas físicas ou jurídicas, oriundas dos USA e da França, sem falar no Brasil, que com suas contribuições, ajudaram esse projeto a se tornar realidade!

Agradecemos aos nossos amigos, aos seus amigos,  as nossas famílias, e a todos os que participaram financeiramente ou com permutas! Ficamos contentes pela crescente participação em nosso site e convidamos  a todos para que descubram os novos projetos em breve no site Zarpante!

Um brinde a todos vocês que acreditaram e nossos parabéns a Ana Clara Soares e Yann- Yves, os responsáveis pelo projeto!

 

Etiquetado , , , , , , , , , , , ,

Projeto Ceci n est pas de l eau na reta final!

O clipe acima mostra bem como estamos: felizes! O projeto Ceci n’ est pas de l’ eau está chegando aos dez últimos dias de prazo para alcançar sua meta financeira e já atingimos 87 por cento!

” Mas eu tou tão feliz, parece que o amor atrai”! Agora queremos apelar a todos vocês que leem nosso blog para que juntos possamos chegar a nossa meta! São mais de 15000 acessos em nosso blog, imaginem se cada uma dessas pessoas participasse, com um euro que fosse, desse projeto e de outros projetos em nosso site…;)

Cachaça não é água não, mas o pessoal responsável pelo projeto não está de brincadeira também não! Já estão de passagens compradas para o Rio de Janeiro para poder filmar e documentar a festa da cachaça em Paraty!

Agradecemos pelas permutas de entidades, à pousada Backpacker’s hostel, que vai hospedar a equipe em Paraty, e à empresa NRVO, que vai fazer o design gráfico!

Agradecemos a você, que acreditou no projeto e participou, seja com 1 euro, seja com mil!

Agradecemos ao pessoal do Cachaça Express e ao pessoal da Soul Cachaça pelas contribuições financeiras!

Pedimos a todos uma última mobilização para que alcancemos a meta!

10 dias, pessoal! 13 por cento da meta faltando! Contribuam e divulguem! Toda ajuda é bem-vinda e você estará tornando possível um projeto em que 23 mecenas já acreditaram!

Foram meses de trabalho no site para que o projeto fosse avançando e, apesar de querermos muito que o projeto seja financiado e crie asas para voar, já sabemos que ele deixará saudades por aqui! Mas o mais importante é que o documentário aconteça, graças à ajuda de todos e que represente, de maneira profissional, um pouco da cultura brasileira no exterior e em nossa própria terra!

Etiquetado , , , , , , , , ,

As águas vão rolar!

É com muita alegria que escrevemos este post! Um post de agradecimento a todos aqueles que vêm contribuindo para o projeto “Ceci n’est pas de l eau”!

English: Paraty from the bay (Brazil).

English: Paraty from the bay (Brazil). (Photo credit: Wikipedia)

O projeto, que já conta com a contribuição de 16 mecenas, atingiu recentemente a barra de 62%! Algumas das contribuições foram financeiras e outras foram permutas que permitiram a diminuição do custo total do projeto por meio de trocas de serviços! A empresa Cachaça Express, especializada na venda on-line de cachaça, participou com 100 euros, por exemplo! Já em Paraty, os responsáveis pelo projeto conseguiram uma permuta relativa à hospedagem, que vai diminuir bastante os gastos previstos para a hospedagem!

Faltam 32 dias para que possamos atingir os 100% necessários! Convocamos todos os amantes da água que passarinho não toma a contribuir como for possível para este projeto! Se puder ajudar financeiramente, estará fazendo parte do sonho desses jovens realizadores, e, se tiver alguma permuta relativa a hospedagem em Minas-Gerais, transporte, material, etc., também estará ajudando muito! Lembramos que, tanto as pessoas ou entidades que contribuírem  financeiramente, quanto as pessoas ou entidades que contribuírem sob forma de permuta, receberão recompensas em troca! Se você tem uma loja que vende cachaça, se produz cachaça, se é um apreciador desse produto brasileiro, se quer simplesmente ajudar a tornar real o sonho desses realizadores, venha ajudar a divulgar e, principalmente, venha contribuir para esse projeto, que vai ajudar no marketing e na divulgação da cachaça pelo mundo todo! Basta clicar aqui!

Somente a ajuda de cada um de vocês possibilitará a realização desse projeto, que vai levar o Brasil engarrafado às telinhas dos cinemas nacionais e internacionais!

Etiquetado , , , , , , , , , ,

Beba com responsabilidade mas contribua sem moderação!

Largest barrel of cachaça and one of the large...

Largest barrel of cachaça and one of the largest wood barrel in use in the world. 8 m tall, 7.85 m wide, capacity of 374,000 l (98,800 US gal), made in 2002. Ypióca's Museum of Cachaça at Maranguape, Ceará, Brazil. (Photo credit: Wikipedia)

Aproveitando a onda da cachaça presente tanto em nosso site, quanto nas discussões político-económicas entre Brasil e USA! Não adianta negar a marvada está cada vez mais na moda e se prepara a conquistar o mercado internacional!

Este post tem um alto teor etílico e deveria interessar os apreciadores da genuína bebida brasileira!

Lembramos que o projeto “Ceci n est pas de l eau” esta em nosso site e precisa da ajuda de todos vocês para poder acontecer! Toda contribuição será bem vinda e esperamos brindar junto com todos, o nascimento desse documentário que vai ajudar ainda mais na internacionalização da cachaça e paralelamente na divulgação da cultura brasileira! Para conhecer o projeto cliquem aqui e se gostarem por favor contribuam com o valor que puderem! Vários prémios foram previstos para quem ajudar por permutas ou por contribuição financeira!

Assistam abaixo a um vídeo bem legal sobre a cachaça! A história da água ardente brasileira contada por Zeca Baleiro!

Etiquetado , , , , , ,

Dilma, Obama e o papo cachaça!

“Obtida pela destilação do caldo de cana-de-açúcar fermentado, a cachaça é tradicionalmente usada na elaboração da caipirinha, que virou marca do Brasil no exterior. No País, são produzidos por ano cerca de 1,5 bilhão de l de cachaça – a maioria em destilarias e uma parte de fabricação artesanal, em pequenos alambiques. São mais de 30 mil produtores e 5 mil marcas.” Fonte: uol.com

A prosaica cachaça , que virou marca no Brasil e no exterior, entrou na agenda da visita que a presidenta Dilma Roussef faz a Barack Obama, nos Estados Unidos. Na oportunidade, o governo americano vai reconhecer a cachaça como produto tipicamente brasileiro, facilitando sua exportação aos EUA. Dilma aproveitou para oferecer uma garrafa de Velho Barreiro a Obama! Uma garrafa de edição limitada com um módico valor de 212 mil reais por ser cravejada de diamantes!

Claro que a cachaça sempre foi de produção brasileira e que não precisamos do Obama para saber disso mas o fato que seja reconhecida pelos Estados Unidos como produto genuinamente brasileiro, faz com que o mercado americano se abra ainda mais para este destilado tão genuinamente nacional. Passa então a ser comercializada nos USA sob o nome de cachaça produto brasileiro e não mais sob o nome de brazilian rhum (rhum brasileiro).
Esse papo todo tem muito a ver com um projeto em nosso site e o fato da presidenta Dilma ter conversado ainda essa semana sobre isto com Obama mostra o quão atual é a temática e o interesse internacional por uma bebida que tem a cara do Brasil! O projeto “Ceci n est pas de l eau” abordará a temática da cachaça justamente sob o ponto de vista económico/cultural, tentando estudar o marketing em torno desse produto e mostrando a reputação da pinga no exterior…
Se você trabalha diretamente ou indiretamente com cachaça, sem tem um bar, um alambique, se simplesmente aprecia boa cachaça e entende a importância que representa para o Brasil saber dominar e comercializar esse produto, venha conhecer o projeto em nosso site no link seguinte: Ceci n est pas de l eau!
Este projeto audiovisual busca também provar que é possível fazer um filme documentário de alta qualidade com fundos bem menores que os que são utilizados pela grande maioria de filmes lançados hoje em dia! Para isso precisam da ajuda de nós todos! Eu já contribuí! E você?
Etiquetado , , , , , , ,

Cachaça não é água não…

Para todos aqueles que gostam de uma cachaça, que acreditam no valor cultural desta bebida que representa tão bem o povo brasileiro, ou que simplesmente tem interesse por marketing, cinema, bebidas, drinks, intercâmbios culturais….

Cachaça

Cachaça (Photo credit: waynewhuang)

É com muito prazer que divulgamos hoje o mais recente projeto em nossa plataforma.

Ceci n est pas de l eau (isto não é água), é um projeto franco-brasileiro cujos responsáveis são Ana Clara Soares e Yann-Yves O’Hayon-Crosby! O projeto que acaba de entrar em nosso site já está cinco por cento financiado!

Assistam ao primeiro vídeo do projeto:

Leiam também um resumo do projeto escrito pelos próprios autores:

” “Ceci n’est pas de l’eau” (“Isso não é água”) é um documentário que abordará questões em torno da bebida brasileira por excelência. Será uma investigação de acordo com a visão de um estrangeiro sobre a cultura verde-e-amarela e seus fatores sociais, através da transparência da cachaça. Baseado na França e no Brasil, o projeto consiste essencialmente em investigar o que molda a conotação da cachaça com o tempo, e como, dependendo do contexto.

À medida que essa brasilidade engarrafada conquista também paladares estrangeiros e foge da sombra do rum, surgem inúmeras perguntas:

– O apreço pela cachaça varia de acordo com nacionalidade ou origens culturais?
– Para o cidadão comum, o que faz uma “boa” cachaça? A definição de “boa” (versus “ruim”) varia de acordo com fatores demográficos (status social, nacionalidade…)?
– Como a evolução do marketing em torno da bebida alterou sua conotação, no Brasil e no exterior?

No entanto, para conseguirmos concluir o documentário precisamos da colaboração de todos. Contribuição, divulgação e motivação é o que precisamos para fazer desse projeto uma realidade. E não deixem de “curtir” e manter-se informado com a nossa página no Facebook! Atualizaremos o conteúdo à medida que o projeto evoluir, graças à vocês.”

Descubram mais sobre o projeto e sobre como contribuir, no link seguinte: http://www.zarpante.com/investment/ceci-n-est-pas-de-l-eau-1051

Etiquetado , , , , ,

Cachaça quente!

“Que tremenda confusão, voava cadeira voava pandeiro, gente com vacilação bagunçando o samba no terreiro…Bebeu umas e ficou valente, virou homem forte, não teve receio…Tinha cachaça no meio..”

Show Dudu Nobre em Itanhaém (282)

Show Dudu Nobre em Itanhaém (282) (Photo credit: Prefeitura Municipal de Itanhaém)

Assim começa o som de Dudu Nobre que nos conta aqui o que acontece quando o cabra não sabe beber!

Dudu Nobre – 2008 – Roda De Samba Ao Vivo DVD

Quem ainda não conhece pode acessar esta página facebook  para mais noticias relacionadas a cachaça e para descobrir um projeto legal de audiovisual!

Logo abaixo curta o som de Dudu Nobre!

Etiquetado , , , , , ,

Cachaça na cabeça!

Se assim como nós, você acredita que cachaça também é cultura e que representa muito mais que estereótipos sobre pinguços, fique de olho pois em breve um projeto muito bacana, sobre o destilado brasileiro, estará em nosso site! Para saber mais clique aqui!
A cachaça pode ser saboreada mas também pode ser cantada, ilustrada, filmada, divulgada, exportada…Introduzimos hoje esta nova categoria de posts em nosso blog para mostrar um pouco mais dessa cultura em torno de uma água que passarinho não bebe!
Que tal começarmos a degustação com dois mestres da música brasileira?

Mulher, patrão e cachaça – Adoniran Barbosa e Osvaldo Molles
“Num barracão da favela do VERGUEIRO
Onde se guarda instrumento
Ali, nóis morava em três.
Eu, Violão da Silveira, seu criado,
Ela, Cuíca de Souza,
E o Cavaquinho de Oliveira Penteado
Quando o cavaco centrava e a cuíca soluçava
Eu entrava de baixaria
E a ximangada sambava, bebia, sacolejava
Dia e noite, noite e dia.
No barracão quando a gente batucava
Essa Cuíca marvada Chorava como ela só
Pois ela gostava demais do meu hit
E bem baixinho gemia
Gemia assim, como quem tem algum dodói
Tudo aquilo era pra mim, gemia e me olhava assim Como quem diz: Alô, my boy
E eu como bom Violão carregava no bordão
Caprichava o sol maior
Mas um dia, patrão, que horror
Foi o rádio que anunciou com o fundo musical
Dona Cuíca de Souza Com Cavaco de Oliveira Penteado se casou
Me deu uma coisa na claquete
Eu ia pegá o Cavaco e o Pandeiro me falou:
Não seja bobo não se escracha
Mulher, patrão e cachaça
Em qualquer canto se acha.
Não seja bobo não se escracha Mulher, patrão e cachaça
Em qualquer canto se acha.”

Erasmo Carlos : Cachaça mecânica!

Etiquetado , , ,
%d blogueiros gostam disto: