Arquivo da tag: Artes plásticas

Manuel Figueira, um pintor cabo-verdiano

Manuel Figueira é de Cabo Verde, e viveu em Portugal entre 1960 e 1974.

Frequentou o Curso Complementar de Pintura da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa. Regressou a Cabo Verde em 1975 e colaborou com a revitalização da cultura popular.  Está representado em diversas coleções como por exemplo no Banco de Fomento em Lisboa, no Banco Totta em Açores, e Lisboa; na ONU em Nova Iorque; Palácio da Cultura da Cidade da Praia, além de coleções particulares.  Conheçam abaixo algumas de suas obras:

Vejam também:

– A poesia do Marinheiro

= Paz no futebol

Anúncios
Etiquetado , , , , , ,

Poemas eróticos recheados com ilustrações

Para começar 2014 em alta temperatura, que tal alguns poemas eróticos de Carlos Drummond de Andrade, acompanhados por ilustrações do Italiano Milo Manara?

– Do livro “O Amor Natural”:

“Oh! Sejamos pornográficos
(docemente pornográficos).
Porque seremos mais castos
Que o nosso avô português?”
Manara

Manara

– Mimosa boca errante

Mimosa boca errante
à superfície até achar o ponto
em que te apraz colher o fruto em fogo
que não será comido mas fruído
até se lhe esgotar o sumo cálido
e ele deixar-te, ou o deixares, flácido,
mas rorejando a baba de delícias
que fruto e boca se permitem, dádiva.
Boca mimosa e sábia,
impaciente de sugar e clausurar
inteiro, em ti, o talo rígido
mas varado de gozo ao confinar-se
no limitado espaço que ofereces
a seu volume e jato apaixonados
como podes tornar-te, assim aberta,
recurvo céu infindo e sepultura?
Mimosa boca e santa,
que devagar vais desfolhando a líquida
espuma do prazer em rito mudo,
lenta-lambente-lambilusamente
ligada à forma ereta qual se fossem
a boca o próprio fruto, e o fruto a boca,
oh chega, chega, chega de beber-me,
de matar-me, e, na morte, de viver-me.
Já sei a eternidade: é puro orgasmo.

– Sem que eu pedisse, fizeste-me a graça

Sem que eu pedisse, fizeste-me a graça
de magnificar meu membro.
Sem que eu esperasse, ficaste de joelhos
em posição devota.
O que passou não é passado morto.
Para sempre e um dia
o pênis recolhe a piedade osculante de tua boca.
Hoje não estás nem sei onde estarás,
na total impossibilidade de gesto ou comunicação.
Não te vejo não te escuto não te aperto
mas tua boca está presente, adorando.
Adorando.
Nunca pensei ter entre as coxas um deus.

– Sob o chuveiro amar:

Sob o chuveiro amar, sabão e beijos,
ou na banheira amar, de água vestidos,
amor escorregante, foge, prende-se,
torna a fugir, água nos olhos, bocas,
dança, navegação, mergulho, chuva,
essa espuma nos ventres, a brancura
triangular do sexo — é água, esperma,
é amor se esvaindo, ou nos tornamos fonte?

– Sublime Puta

Ó tu, sublime puta encanecida,

que me negas favores dispensados
em rubros tempos, quando nossa vida
eram vagina e fálus entrançados,
agora que estás velha e teus pecados
no rosto se revelam, de saída,
agora te recolhes aos selados
desertos da virtude carcomida.
E eu queria tão pouco desses peitos,
da garupa e da bunda que sorria
em alva aparição no canto escuro
Queria teus encantos já desfeitos
re-sentir ao império do mais puro
tesão, e da mais breve fantasia.

– A castidade com que abria as coxas

A castidade com que abria as coxas
e reluzia a sua flora brava.
Na mansuetude das ovelhas mochas
e tão estreita, como se alargava.
Ah, coito, coito, morte de tão vida,
sepultura na grama, sem dizeres.
Em minha ardente substância esvaída,
eu não era ninguém e era mil seres
em mim ressuscitados. Era Adão,
primeiro gesto nu ante a primeira
negritude de corpo feminino.
Roupa e tempo jaziam pelo chão.
E nem restava mais o mundo, à beira
dessa moita orvalhada, nem destino.

– A lingua lambe

A língua lambe as pétalas vermelhas
da rosa pluriaberta; a língua lavra
certo oculto botão, e vai tecendo
lépidas variações de leves ritmos.
E lambe, lambilonga, lambilenta,
a licorina gruta cabeluda,
e, quanto mais lambente, mais ativa,
atinge o céu do céu, entre gemidos,
entre gritos, balidos e rugidos
de leões na floresta, enfurecidos.

 

– Sugar e ser sugado pelo amor

Sugar e ser sugado pelo amor
no mesmo instante boca milvalente
o corpo dois em um o gozo pleno
Que não pertence a mim nem te pertence
um gozo de fusão difusa transfusão
o lamber o chupar o ser chupado
no mesmo espasmo
é tudo boca boca boca boca
sessenta e nove vezes boquilíngua.

– No corpo feminino, esse retiro

No corpo feminino, esse retiro
 a doce bunda – é ainda o que prefiro.
A ela, meu mais íntimo suspiro,
pois tanto mais a apalpo quanto a miro.
Que tanto mais a quero, se me firo
em unhas protestantes, e respiro
a brisa dos planetas, no seu giro
lento, violento… Então, se ponho e tiro
a mão em concha – a mão, sábio papiro,
iluminando o gozo, qual lampiro,
ou se, dessedentado, já me estiro,
me penso, me restauro, me confiro,
o sentimento da morte eis que o adquiro:
de rola, a bunda torna-se vampiro.

– A Bunda, que engraçada

A bunda, que engraçada.

Está sempre sorrindo, nunca é trágica.

Não lhe importa o que vai

pela frente do corpo. A bunda basta-se.

Existe algo mais? Talvez os seios.

Ora – murmura a bunda – esses garotos

ainda lhes falta muito que estudar.

A bunda são duas luas gêmeas

em rotundo meneio. Anda por si

na cadência mimosa, no milagre

de ser duas em uma, plenamente.

A bunda se diverte

Por conta própria. E ama.

Na cama agita-se. Montanhas

Avolumam-se, descem. Ondas batendo

Numa praia infinita.

Lá vai sorrindo a bunda. Vai feliz

Na carícia de ser e balançar.

Esferas harmoniosas sobre o caos.

A bunda é a bunda,

Redunda.

Vejam também:

– A poesia do Marinheiro

– Paz no Futebol

 

 

Etiquetado , , , , , , ,

O valor da imagem

O que leva um artista que tem a possibilidade de vender suas obras por mais de 100 mil dólares a vendê-las por apenas 60 dólares? Honestidade? Marketing?

Banksy é um artista de rua inglês, cujas obras estão conquistando o mundo.No entanto, recentemente, o artista vendeu no Centra Park em Nova York umas 20 telas autênticas por módicos 60 dólares.

Banksy montou o stand mas ficou invisível: um senhor desconhecido fez o papel de vendedor. A verdadeira questão é a seguinte: porque uma obra de Banksy vale mais de cem mil dólares em alguns leilões e passa a valer apenas 60 dólares quando vendida (autenticada) na rua? A obra ganha valor apenas por estar em um leilão e perde valor apenas por estar na rua? Não é um pouco absurdo?

Quanto mais acessível for uma obra, menor o seu valor?

Lembramos também que, por mais conhecidas que sejam as obras de Banksy, ele ainda não tem um nome tão célebre quanto o de Picasso ou Van Gogh, e por isso mesmo perguntamos: se fosse o caso, ele teria podido vender as obras por um valor superior no próprio Central Park? O verdadeiro valor de uma obra está na obra em si ou no nome do autor?

No total, foram 420 dólares de obras compradas por umas poucas pessoas, que têm agora a sorte de ter Banksys originais comprado por 20 dólares, e que poderão ser revendidos por uma soma pelo menos 100 vezes superior.

Ao fazer isso, Banksy nos mostra que muitas vezes existem oportunidades fantásticas na nossa frente e que não percebemos. Nos mostra também que o preço que damos à arte é totalmente relativo e que é necessário prestar atenção e valorizar a arte de todos, estejam estes expondo na rua ou em galerias.

 

 

Etiquetado , , , , , , , ,

O grafite brasileiro está literalmente invadindo o mundo!

Diversos grafiteiros brasileiros vem espalhando seus trabalhos pelo mundo. Hoje apresentaremos dois deles (ou três) aos nossos leitores:

– Francisco Rodrigues da Silva, conhecido como “Nunca”, usa a rua como tela há quase 20 anos, e  pintou recentemente, paredes da famosa Tate Modern em Londres. Vejam abaixo algumas de suas obras.

– Quanto aos gêmeos Otávio e Gustavo Pandolfo, formados em desenho de comunicação pela Escola Técnica Estadual Carlos da Campos, começaram a pintar grafites em 1987 e gradualmente tornaram-se uma das influências mais importantes na cena local, ajudando a definir um estilo brasileiro de grafite.

Os trabalhos da dupla estão presentes em diferentes cidades dos Estados Unidos, Portugal, Inglaterra, Alemanha, Grécia, Cuba, entre outros países. Também executaram a pintura da fachada da Tate Modern, de Londres, para a exposição Street Art, juntamente com o grafiteiro brasileiro Nunca, e outros grafiteiros. Algumas obras abaixo.

– Para terminar um projeto em que Os Gêmeos e Nunca participaram juntos:

Fontes: O Globo, Youtube, Kelp,  The Mongrel, Grafite pra ontem, Metro,  http://www.urbanartcore.eu/tag/nunca/, http://theonepointeight.wordpress.com, http://antropologizzzando.blogspot.fr

Vejam também:

– Grafiteiros lusófonos 01

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , ,

Uma flor única

Quem estiver em Floripa deveria aproveitar para marcar presença.

Quem estiver em Floripa deveria aproveitar para marcar presença.

A artista Flôr Kepah é dessas flores únicas que todos deveriam conhecer!

Para quem ainda não teve essa chance, a hora é essa: até dia 2 de setembro de 2013 a artista, que tem obras na Galeria Zarpante, estará expondo parte de seu belo trabalho artístico na Galeria Chardonnay em Florianópolis.

Flôr Kepah e alguns de seus quadros

Flôr Kepah e alguns de seus desenhos

É curioso que até o nome do bairro em que acontece a exposição tenha algo em comum com Zarpante e com a lusofonia: corram ao Bairro Santo Antônio de Lisboa pois são os últimos dias para ver essa exposição que vai até dia 2 de setembro!

A artista foi entrevistada na rádio comunitária Campeche, no programa semanal Arrastão e quem quiser pode conferir no link abaixo:

Entrevista de Flôr Kepah

Etiquetado , , , , ,

Quando os rappers desejam obras de arte

Na maioria das músicas de rap americano comercial, uma temática recorrente é a de ganhar dinheiro para comprar carros e outros bens materiais.

Agora, Jay Z, que acaba de lançar seu novo disco, nos mostra na música Picasso Baby que também se sente atraído por bens materiais, mas pelo menos do tipo que alimenta a alma: Obras de arte.

The Mona Lisa.

Mona Lisa. (Photo credit: Wikipedia)

Tudo bem, no caso do Jay -Z, o que ele procura são quadros caros de artistas famosos, para sentir o próprio ego aumentar e poder afirmar que tem quadros caríssimos. Mas na Galeria Zarpante você encontra obras exclusivas por preços acessíveis. Não importa se vão valer milhões ou não, o que importa é que gostemos do que “consumimos”. Afinal quando compramos um livro, não pensamos no valor que ele terá no futuro, apenas compramos porque gostamos de quem escreve ou porque temos curiosidade, e assim deveria ser também no caso das artes plásticas.

[Verse 1]
“I just want a Picasso, in my casa
No, my castle
I’m a hassa, no I’m an asshole
I’m never satisfied, can’t knock my hustle
I wanna Rothko, no I wanna brothel
No, I want a wife that fuck me like a prostitute
Let’s make love on a million, in a dirty hotel
With the fan on the ceiling, all for the love of drug dealing
Marble Floors, gold Ceilings
Oh what a feeling – fuck it I want a billion
Jeff Koons balloons, I just wanna blow up
Condos in my condos, I wanna row of
Christie’s with my missy, live at the MoMA
Bacons and turkey bacons, smell the aroma

It ain’t hard to tell
I’m the new Jean Michel
Surrounded by Warhols
My whole team ball
Twin Bugattis outside the Art Basel
I just wanna live life colossal
Leonardo Da Vinci flows
Riccardo Tisci Givenchy clothes
See me thrown at the Met
Vogue’ing on these niggas
Champagne on my breath, Yes
House like the Louvre or the Tate Modern
Because I be going ape at the auction
Oh what a feeling
Aw fuck it I want a trillion
Sleeping every night next to Mona Lisa
The modern day version
With better features
Yellow Basquiat in my kitchen corner
Go ahead lean on that shit Blue
You own it…”

Etiquetado , , , , , , , , , , , ,

Arte erótica na galeria Zarpante

Uma pequena amostra para quem gosta de contextos sensuais e pincéis acariciantes!

Quadros a venda na Galeria Zarpante!

Homens de Pensamento Empalhado. Medidas de Austeridade
Luiz Morgadinho

Eterno Feminino.
Luiz Morgadinho

– Outras obras de Luiz Morgadinho na Galeria Zarpante

De Quatro
Flôr Kepah

Penetração
Flôr Kepah

– Outras obras de Flôr Kepah na Galeria Zarpante.

Praia III
Rubens Cavalcanti Da Silva

Praia II
Rubens Cavalcanti Da Silva

Praia I
Rubens Cavalcanti Da Silva

– Outras obras de Rubens Cavalcanti na Galeria Zarpante

Pensando em ti
Teresa E. Calgam

 

Quartzo
Teresa E. Calgam

Jaspe
Teresa E. Calgam

– Outras obras de Teresa E. Calgam na Galeria Zarpante.

– Veja também: Quarta erótica

Etiquetado , , , , , ,

Quarta erótica

Que tal apimentar sua quarta com um pouco de arte erótica?

– Começamos com Lambuja e um pouco de sua obra:

Playboy Brasil, 02/2012

Men`s Health - Número 73 - MAIO DE 2012

As amantes de Jonny T.

As amantes de Jonny T.

Lucky Fella

Lucky Fella

The real superhero MISTER XANADU and his wife at his secret lair

The real superhero MISTER XANADU and his wife at his secret lair

Playboy Brasil, 02/2012
study

– Continuamos com Shiko:

da mulher e suas circunstâncias-remake

da mulher e suas circunstâncias-remake

Tá livre ?

Tá livre ?

sepia

sepia

quello che brucia

quello che brucia

soy cuba ?

soy cuba ?

BESSABRASIL

BESSABRASIL

vem chegando o verão

vem chegando o verão

domingo

domingo

4-armário dos budas ditosos

armário dos budas ditosos

remédios

remédios

Sem título

Sem título

loura arrastão

loura arrastão

locasun

locasun

– Terminamos com Felipe Yung e sua exposição “Hentai”:

Bunda

Bunda

BAhbB1sHOgZmSSIdNGZlMzhlZThkODlkYTczOGNmMDAwMDAzBjoGRVRbCDoGcDoKdGh1bWJJIgw1Mjh4NTI4BjsGRg

hentai-felipe-yung-flip-reproducaohentai-2-felipe-yung-flip-reproducao

– Aproveite para conhecer as obras sensuais da artista Flôr Kepah na Galeria Zarpante!

Etiquetado , , , , , , ,

Basquiat: um artista versátil…

Há um certo discurso que afirma que um artista plástico não pode ser um músico ou vice versa. Que cada arte deve ser devidamente separada, catalogada, e trabalhada individualmente.

Entre os  artistas plásticos, sente-se ainda mais, que sacralizam a arte com a qual trabalham, mesmo que isso signifique esnobar as outras.

Existe também essa ideia que somente pessoas que estudaram e se formaram em arte estão aptas a opinar sobre o assunto….

Pois o homem sobre o qual falaremos hoje é o exemplo perfeito de que nem sempre o ideal seja cursar  longos estudos especializados e que a versatilidade da vida pode ser muito mais edificante do que imaginamos.

Um jovem negro de Nova-York, que sem estudo algum (além das visitas aos museus que fazia com sua mãe), conseguiu deixar seu nome escrito para sempre na história das artes.

Jean-Michel Basquiat tem um percurso no mínimo atípico:

  • Ganhou popularidade como grafiteiro

SAMO

SAMO

01

Passou por dificuldades financeiras e vendia cartões postais e camisas com desenhos seus para sobreviver. Os cartões postais que não eram considerados como arte, eram comprados por dois dólares na época e hoje valem mais de 5000 dólares…

Basquiat com uma camisa pintada por ele.

Basquiat com uma camisa pintada por ele.

Um cartão feito por Basquiat

Um cartão feito por Basquiat

  • Fez música:

http://grooveshark.com/#!/album/Jean+Michel+Basquiat+In+Downtown+81/5996252

  • Foi ator:

  • E foi o primeiro homem negro na capa da revista Times:

Folder 1 2248

  • Produziu mais de 800 obras em um curto período de vida ( faleceu com 27 anos de vida):

Captura de ecrã 2013-05-14, às 11.04.17-1 Captura de ecrã 2013-05-14, às 11.19.58-1

philistines300px-Untitled_acrylic_and_mixed_media_on_canvas_by_--Jean-Michel_Basquiat--,_1984

Saiba mais com os vídeos abaixo:

Veja também:

– A poesia do Marinheiro

– Paz no Futebol

Etiquetado , , , , ,

Medellin Silva e a série Infinitos

O artista Medellin Silva, descreve com essas palavras a série Infinitos:

“Infinitos é uma série de pinturas abstratas onde o objetivo é a exploração das infinitas possibilidades de escolhas; construídas basicamente com círculos e linhas que se ligam.
Abstrações que, desde o movimento da linha que parte de um circulo ao outro ou em direção ao nada, expressam calma e raiva, premeditação e automatismo.”

Alguma vez você já parou para pensar em como um artista plástico se organiza para comprar o material necessário para fazer suas obras, encontrar tempo para se dedicar a sua arte e simultaneamente colocar o pão na mesa?

Esse projeto se trata disso mesmo: ajudar o artista Medellin Silva a poder se dedicar exclusivamente as suas obras, e assim ter tempo de finalizar a bela série Infinitos que no momento já conta com 12 quadros mas que estará completa quando forem 25!

Clique aqui ou nas obras abaixo para saber mais sobre o projeto! Se, como nós, gostar do trabalho de Medellin, contribua com o que lhe for possível e receba em troca recompensas exclusivas!

Infinito  10

Infinito 10

Infinito 11

Infinito 11

Infinito 12

Infinito 12

Infinito 9

Infinito 9

Infinito  8

Infinito 8

Infinito  7

Infinito 7

infinito 2

Infinito  5

Infinito 5

Infinito 1

Infinito 1

Infinito  6

Infinito 6

Infinito  4

Infinito 4

Infinito  3

Infinito 3

Etiquetado , , , , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: