Arquivo da categoria: Ilustração

O avião da seleção

Deram asas à imaginação dos Gêmeos!

Como representantes de uma das novas caras da cultura brasileira, os irmãos  Otávio e Gustavo Pandolfo, mais conhecidos sob o nome artístico ” Os Gêmeos”, são figuras cativas no Blog Zarpante. Eles já pintaram murais pelo mundo todo além de expor em diversas galerias ajudando a trazer a arte urbana para dentro do “circuito”.

Desta vez, os irmãos travaram parceria com a companhia aérea Gol e foram incumbidos de pintar o avião que servirá de transporte para a  seleção brasileira de Futebol durante a Copa do Mundo de 2014!

Foi a primeira vez que Os Gêmeos utilizaram um avião como suporte para um grafite, foram necessárias cerca de 1,2 mil latas de spray, e o resultado vocês conferem logo abaixo:

 

 

Vejam também:

– O dia em que os portugueses carimbaram sua vinda ao Brasil

– #Vaitercopa! Ainda é possível fazer um evento que seja positivo em seus diversos aspectos (inclusive no aspecto social e  econômico)

 

 

Anúncios
Etiquetado , , , , , , , , ,

Grafiteiros Lusófonos 03

Nessa terceira edição do Grafiteiros Lusófonos iremos apresentar os trabalhos de alguns grafiteiros brasileiros!

Etiquetado , , , , , , ,

Poemas eróticos recheados com ilustrações

Para começar 2014 em alta temperatura, que tal alguns poemas eróticos de Carlos Drummond de Andrade, acompanhados por ilustrações do Italiano Milo Manara?

– Do livro “O Amor Natural”:

“Oh! Sejamos pornográficos
(docemente pornográficos).
Porque seremos mais castos
Que o nosso avô português?”
Manara

Manara

– Mimosa boca errante

Mimosa boca errante
à superfície até achar o ponto
em que te apraz colher o fruto em fogo
que não será comido mas fruído
até se lhe esgotar o sumo cálido
e ele deixar-te, ou o deixares, flácido,
mas rorejando a baba de delícias
que fruto e boca se permitem, dádiva.
Boca mimosa e sábia,
impaciente de sugar e clausurar
inteiro, em ti, o talo rígido
mas varado de gozo ao confinar-se
no limitado espaço que ofereces
a seu volume e jato apaixonados
como podes tornar-te, assim aberta,
recurvo céu infindo e sepultura?
Mimosa boca e santa,
que devagar vais desfolhando a líquida
espuma do prazer em rito mudo,
lenta-lambente-lambilusamente
ligada à forma ereta qual se fossem
a boca o próprio fruto, e o fruto a boca,
oh chega, chega, chega de beber-me,
de matar-me, e, na morte, de viver-me.
Já sei a eternidade: é puro orgasmo.

– Sem que eu pedisse, fizeste-me a graça

Sem que eu pedisse, fizeste-me a graça
de magnificar meu membro.
Sem que eu esperasse, ficaste de joelhos
em posição devota.
O que passou não é passado morto.
Para sempre e um dia
o pênis recolhe a piedade osculante de tua boca.
Hoje não estás nem sei onde estarás,
na total impossibilidade de gesto ou comunicação.
Não te vejo não te escuto não te aperto
mas tua boca está presente, adorando.
Adorando.
Nunca pensei ter entre as coxas um deus.

– Sob o chuveiro amar:

Sob o chuveiro amar, sabão e beijos,
ou na banheira amar, de água vestidos,
amor escorregante, foge, prende-se,
torna a fugir, água nos olhos, bocas,
dança, navegação, mergulho, chuva,
essa espuma nos ventres, a brancura
triangular do sexo — é água, esperma,
é amor se esvaindo, ou nos tornamos fonte?

– Sublime Puta

Ó tu, sublime puta encanecida,

que me negas favores dispensados
em rubros tempos, quando nossa vida
eram vagina e fálus entrançados,
agora que estás velha e teus pecados
no rosto se revelam, de saída,
agora te recolhes aos selados
desertos da virtude carcomida.
E eu queria tão pouco desses peitos,
da garupa e da bunda que sorria
em alva aparição no canto escuro
Queria teus encantos já desfeitos
re-sentir ao império do mais puro
tesão, e da mais breve fantasia.

– A castidade com que abria as coxas

A castidade com que abria as coxas
e reluzia a sua flora brava.
Na mansuetude das ovelhas mochas
e tão estreita, como se alargava.
Ah, coito, coito, morte de tão vida,
sepultura na grama, sem dizeres.
Em minha ardente substância esvaída,
eu não era ninguém e era mil seres
em mim ressuscitados. Era Adão,
primeiro gesto nu ante a primeira
negritude de corpo feminino.
Roupa e tempo jaziam pelo chão.
E nem restava mais o mundo, à beira
dessa moita orvalhada, nem destino.

– A lingua lambe

A língua lambe as pétalas vermelhas
da rosa pluriaberta; a língua lavra
certo oculto botão, e vai tecendo
lépidas variações de leves ritmos.
E lambe, lambilonga, lambilenta,
a licorina gruta cabeluda,
e, quanto mais lambente, mais ativa,
atinge o céu do céu, entre gemidos,
entre gritos, balidos e rugidos
de leões na floresta, enfurecidos.

 

– Sugar e ser sugado pelo amor

Sugar e ser sugado pelo amor
no mesmo instante boca milvalente
o corpo dois em um o gozo pleno
Que não pertence a mim nem te pertence
um gozo de fusão difusa transfusão
o lamber o chupar o ser chupado
no mesmo espasmo
é tudo boca boca boca boca
sessenta e nove vezes boquilíngua.

– No corpo feminino, esse retiro

No corpo feminino, esse retiro
 a doce bunda – é ainda o que prefiro.
A ela, meu mais íntimo suspiro,
pois tanto mais a apalpo quanto a miro.
Que tanto mais a quero, se me firo
em unhas protestantes, e respiro
a brisa dos planetas, no seu giro
lento, violento… Então, se ponho e tiro
a mão em concha – a mão, sábio papiro,
iluminando o gozo, qual lampiro,
ou se, dessedentado, já me estiro,
me penso, me restauro, me confiro,
o sentimento da morte eis que o adquiro:
de rola, a bunda torna-se vampiro.

– A Bunda, que engraçada

A bunda, que engraçada.

Está sempre sorrindo, nunca é trágica.

Não lhe importa o que vai

pela frente do corpo. A bunda basta-se.

Existe algo mais? Talvez os seios.

Ora – murmura a bunda – esses garotos

ainda lhes falta muito que estudar.

A bunda são duas luas gêmeas

em rotundo meneio. Anda por si

na cadência mimosa, no milagre

de ser duas em uma, plenamente.

A bunda se diverte

Por conta própria. E ama.

Na cama agita-se. Montanhas

Avolumam-se, descem. Ondas batendo

Numa praia infinita.

Lá vai sorrindo a bunda. Vai feliz

Na carícia de ser e balançar.

Esferas harmoniosas sobre o caos.

A bunda é a bunda,

Redunda.

Vejam também:

– A poesia do Marinheiro

– Paz no Futebol

 

 

Etiquetado , , , , , , ,

Grafiteiros lusófonos 02

Conheçam mais alguns grafiteiros lusófonos!

Desta vez alguns portugueses:

Etiquetado , , , , ,

Seremos eternamente gratos

Uma luz se apagou na terra para deixar o céu mais brilhante! Mandiba nos deixou mas seu legado será eterno! Uma estrela a mais brilha lá no alto e um continente ficou órfão e chora pela partida de Nelson Mandela! Nossos agradecimentos pelo seu combate e a homenagem Zarpante a este homem tão sábio e diferente dos outros!

Algumas frases do mestre:

– “O racismo é algo absurdo”

– “Lutei contra o domínio branco e contra o domínio negro. Persegui o ideal de uma sociedade livre e democrática onde todas as pessoas vivem juntas, em harmonia e com igualdade de oportunidades. É um ideal pelo qual espero viver e atingir. Mas, se for necessário, estou disposto e morrer por ele”.

– “Ninguém nasce a odiar o outro pela cor da pele, pela origem ou pela religião. As pessoas aprendem a odiar e, se podem aprender a odiar, também podem aprender a amar”.

 

– “Nunca, nunca, nunca mais deverá esta terra fantástica voltar a sofrer a opressão de um homem sobre outro”.

 

– “Tanto quanto brancos mataram negros, negros mataram brancos”.

 

– “A supremacia branca implica a inferioridade negra”.

 

– “No meu país, primeiro vai-se para a prisão, mas depois passa-se a presidente”.

 

– “Nunca considerei nenhum homem superior a mim, dentro ou fora da prisão”.

 

– “Aprendi que o valor não é a ausência do medo, mas o triunfo sobre ele. Um homem valente não é aquele que não sente medo, mas o que se sobrepõe a ele”.

 

– “A grandeza da vida não consiste em não cair nunca, mas em levantarmo-nos de cada vez que caímos”.

 

– “Parece sempre impossível até que ser feito”.

 

– “Depois de subirmos uma grande montanha, descobrimos que há muito mais montanhas para escalar”.

 

– “Sempre soube que um dia voltaria a sentir a relva debaixo dos meus pés e que caminharia ao sol, livre”.

 

– “Estou apaixonado por uma mulher notável. Ela mudou a minha vida” (sobre Graça Machel).

 

– “A imprensa é um dos pilares da democracia”.

 

– “Lutar contra a pobreza não é um assunto de caridade, mas de justiça”.

 

– “A morte é algo inevitável. Quando um homem fez o que acreditava necessário pelo seu povo e pelo seu país, pode descansar em paz. Creio ter cumprido

esse dever e, por isso, descansarei para a eternidade”.

 

– “Haverá vida depois de Mandela”.

 – “As mulheres são complicadas. Eu amo alguem e quando a paquero ela não me aceita como namorado. Mas ela esta sempre olhando para mim e não consegue me encarar.”

– “Nascemos para manifestar a glória do Universo que está dentro de nós. Não está apenas em um de nós: está em todos nós. E conforme deixamos a nossa própria luz brilhar, inconscientemente damos às outras pessoas permissão para fazer o mesmo. E conforme nos libertamos do nosso medo, nossa presença, automaticamente, libera os outros.”

“O conhecimento é força intocável de qualquer Homem. A liberdade pode ser retirada, mas a capacidade de pensar, reflectir e aprender é unica e exclusiva. Educar-se é mudar o destino a cada nova aprendizagem.”

– “O BRAVO NÃO É QUEM NÃO SENTE MEDO, MAS QUEM VENCE ESSE MEDO”

– “Medo nos bravos representa energia, representa mais energia para dobrar obstáculos. O medo é saudável, motivador e despertador da atitude positiva, do empenho e da persistência.”

– “A educação e os valores juntos são invencíveis. Defensores da superação e excelência. O coração é justo a mente racional, o resultado será racionalmente justo.”

– “DEVEMOS PROMOVER A CORAGEM ONDE HÁ O MEDO, PROMOVER O ACORDO ONDE EXISTE CONFLITO, E INSPIRAR A ESPERANÇA ONDE HÁ DESESPERO”

– “Uma vida de superação, excelência, mudança e de propósito. Viver com o propósito é viver para liberdade, para a esperança, para o sucesso, para a dignidade. É preciso não ter medo, mas coragem, não desesperar mas inspirar, não criar conflito mas acordar, pois só assim será possivel mudar o mundo.   Seja Maior.”

Agora vejamos algumas imagens do Madiba:

E algumas músicas em homenagem ao eterno Mandela:

Para terminar:

Obrigado por tudo Mandiba!

 

 

 

 

Etiquetado , , , , ,

Para esquentar um pouco mais seu fim de semana

Dois artistas que vão apimentar o sábado dos adultos!

O brasileiro Francisco Leite, aka Derbyblue e seu compatriota Juarez Machado:

Vejam também:

– Ninfomaníaca

Etiquetado , , , , , ,

Hoje é sexta-feira: não saia sem sua camisinha!

Uma maneira lúdica de mostrar a todos a importância de sempre ter uma camisinha a mão! Porque como ilustra o desenho abaixo, sexo não acontece realmente por acaso, por mais que não estivesse previsto…

sexo_e_acaso

sexo_e_acaso
Sexo não é acidente: utilize o preservativo!

Veja também:

– Ninfomaníaca

– Para esquentar um pouco mais seu fim de semana

 

 

 

Etiquetado , , , , , ,

Grafiteiros lusófonos 01

Conheçam abaixo alguns grafiteiros lusófonos!

1- VHILS ou Alexandre Farto (Portugal)

VHILS é um artista  Português conhecido pelos seus “Rostos” esculpidos em paredes. Ele inova constantemente utilizando novas técnicas e maneiras de abordar seu trabalho. Boa parte de seu trabalho é criado ao vivo no local e focaliza-se na natureza transitória, suas histórias e as de seus moradores. Representa também uma nova geração de grafiteiros que não somente grafita paredes como também pinta telas e expõem em galerias.

” Nasceu em Lisboa em 1987. Terminou os seus estudos em 2008 na University of the Arts em Londres.  Iniciou-se em pintura em 1998 com apenas treze anos. Pintava muros de ruas e comboios da margem sul do rio Tejo.  Este artista de Lisboa, a partir das suas raízes do graffiti/street art tem vindo a explorar novos caminhos dentro da ilustração, animação e design gráfico, misturando o estilo vectorial com o desenho à mão livre, aliado a formas contrastadas e sujas, que nos remetem para momentos épicos. A destacar também a abertura recente da sua exibição de interior/ar livre, “building 3 steps“, com Miguel Maurício. Em 2011, desenvolveu uma técnica usando explosivos, grafite, restos de cartazes e até retratos feitos com metal enferrujado para criar retratos e frases. Existem trabalhos seus espalhados por vários locais do mundo como as cidades portuguesas de Lisboa, Porto e Aveiro, além de capitais como Berlin, Londres, Moscovo, Bogotá, e cidades como Medellín, Cali (na Colômbia), Nova York, Los Angeles, Grottaglie (sul da Itália).” Fonte: Wikipédia

2- Alexandre Orion (Brasil)

Para quem diz que grafite é somente sujeira, e que os grafiteiros não fazem nada além de adicionar poluição visual ao nosso cotidiano, chegou a hora de conhecer o grafite invertido (Reverse graffiti). A ideia é simples: para criar os desenhos, o grafiteiro paulista, Orion, limpa as paredes em vez de desenhar sobre elas! Basta encontrar um muro bem sujo e em seguida começar a limpar para dar as formas desejadas!

Vejam também:

– O grafite brasileiro está literalmente invadindo o mundo!

– GRAFITEIROS LUSÓFONOS 02

Etiquetado , , , , , , , , , , , ,

O grafite brasileiro está literalmente invadindo o mundo!

Diversos grafiteiros brasileiros vem espalhando seus trabalhos pelo mundo. Hoje apresentaremos dois deles (ou três) aos nossos leitores:

– Francisco Rodrigues da Silva, conhecido como “Nunca”, usa a rua como tela há quase 20 anos, e  pintou recentemente, paredes da famosa Tate Modern em Londres. Vejam abaixo algumas de suas obras.

– Quanto aos gêmeos Otávio e Gustavo Pandolfo, formados em desenho de comunicação pela Escola Técnica Estadual Carlos da Campos, começaram a pintar grafites em 1987 e gradualmente tornaram-se uma das influências mais importantes na cena local, ajudando a definir um estilo brasileiro de grafite.

Os trabalhos da dupla estão presentes em diferentes cidades dos Estados Unidos, Portugal, Inglaterra, Alemanha, Grécia, Cuba, entre outros países. Também executaram a pintura da fachada da Tate Modern, de Londres, para a exposição Street Art, juntamente com o grafiteiro brasileiro Nunca, e outros grafiteiros. Algumas obras abaixo.

– Para terminar um projeto em que Os Gêmeos e Nunca participaram juntos:

Fontes: O Globo, Youtube, Kelp,  The Mongrel, Grafite pra ontem, Metro,  http://www.urbanartcore.eu/tag/nunca/, http://theonepointeight.wordpress.com, http://antropologizzzando.blogspot.fr

Vejam também:

– Grafiteiros lusófonos 01

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , ,

Conheça o Pinterest de Zarpante

O Pinterest é uma rede social que funciona um pouco como um álbum de fotos. Conheça o nosso!

Por lá você encontra diferentes álbuns sobre as temáticas mais variadas. Um pequeno exemplo do que poderá encontrar no nosso Pinterest:

Curtiu? Então clique aqui e acesse todos os álbuns que preparamos para si!

Etiquetado , , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: